Desde o início da campanha, São Gonçalo vacinou 176.924 moradores da cidade com a primeira dose e 79.945 com a segunda
Desde o início da campanha, São Gonçalo vacinou 176.924 moradores da cidade com a primeira dose e 79.945 com a segundaDivulgação / Renan Otto
Por Irma Lasmar
SÃO GONÇALO - Esta sexta-feira (7) e sábado (8) são dias de aplicação da primeira dose da Astrazeneca contra a Covid-19 em munícipes com mais de 60 anos e com comorbidades a partir de 52 anos ou grávidas, além dos trabalhadores da saúde de qualquer idade que atuem na linha de frente, bem como quaisquer médicos, enfermeiros e técnicos com mais de 35 anos. A cidade oferece doze pontos de vacinação, quatro deles com drive-thru. A imunização com CoronaVac está suspensa até que a Secretaria de Saúde do município receba uma nova remessa deste fabricante.
Na próxima semana, a cidade começa a vacinar pessoas com comorbidades de 51 anos na segunda (10) e terça-feira (11) e os profissionais de saúde a partir de 30 anos durante toda a semana. Da quarta-feira (12) em diante, a idade das comorbidades cai uma por dia. Sendo assim, a vacinação vai acontecer na quarta para mais de 50 anos, na quinta (13) para mais de 49 anos, na sexta (14) para mais de 48 e no sábado (15) para pessoas deste público específico a partir dos 47. A cidade também aplica a segunda dose nos munícipes que tomaram a Astrazeneca há mais de 12 semanas. Os gonçalenses devem observar a caderneta ou o comprovante de vacinação para procurarem os locais de vacinação no dia indicado e levar o documento para comprovação da primeira dose da Astrazeneca em São Gonçalo, pois somente com isto poderão tomar a segunda. Aqueles que não levarem o comprovante ou apresentarem comprovante de outra cidade não serão imunizados.
Publicidade
O município vacina as pessoas com mais de 52 anos e grávidas que têm as seguintes comorbidades: diabetes mellitus, hipertensão arterial grave, doença pulmonar obstrutiva crônica, doença renal crônica, doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, indivíduos transplantados de órgão sólido ou de medula óssea, anemia falciforme, cirrose hepática, imunossuprimidos, síndrome de down, câncer e obesidade mórbida.
Os trabalhadores da saúde da linha de frente dos hospitais de São Gonçalo que ainda não se vacinaram por serem recém-contratados já podem tomar a vacina. Os trabalhadores dos serviços de saúde públicos e privados da linha de frente são aqueles envolvidos diretamente na atenção/referência para os casos suspeitos e confirmados de Covid-19, tanto da urgência e emergência quanto da atenção básica. São eles, além de médicos, enfermeiros e técnicos, também os faxineiros, atendentes, recepcionistas, maqueiros, copeiros, cozinheiros, entre outros. 
Publicidade
Entre os profissionais de saúde com mais de 35 anos que trabalham ou moram em São Gonçalo e não atuam na linha de frente e estão aptos a receberem a primeira dose são: técnico em radiologia, enfermeiro, técnico e auxiliar de enfermagem, médico, fisioterapeuta, nutricionista, odontólogo, fonoaudiólogo, psicólogo, biólogo, farmacêutico, assistente social, biomédico e auxiliar e técnico de saúde bucal.
Acamados ou com mobilidade reduzida a partir dos 60 anos estão sendo vacinados em casa. Aqueles que não são atendidos pelo programa Estratégia Saúde da Família (ESF) devem ser cadastrados por seus parentes ou responsáveis em uma unidade de saúde mais próxima da residência para receber a vacina. O pedido é feito pessoalmente ou pelo e-mail [email protected] 
Publicidade
"A população não precisa formar filas e fazer aglomerações nas portas das unidades de saúde logo nas primeiras horas da manhã e no primeiro dia da faixa etária agendada. Os locais de vacinação vão receber as pessoas que chegarem até 16h30, para que os mesmos sejam atendidos até 17h nos dias de semana e 11h30 aos sábados. A população pode acompanhar o calendário vacinal pelo site www.saogonçalo.rj.gov.br, e pelas redes sociais da Prefeitura", informa o secretário municipal de Saúde, André Carvalho Vargas.
Desde o início da campanha, São Gonçalo aplicou a primeira dose em 176.924 moradores da cidade, sendo 24.923 trabalhadores da saúde, 130.293 idosos com mais de 60 anos, 1.684 funcionários e pessoas em Instituições de Longa Permanência (Ilpis), 105 pessoas de residências terapêuticas, dois indígenas, 17.229 pessoas com comorbidades e 2.688 acamados. Até as 16h desta quinta-feira (6), 79.945 pessoas foram imunizadas com a segunda dose.