Jerominho ao lados dos pré-candidatos Sérgio Porto e Jalmir JúniorReprodução/ Redes Sociais

Rio - Dias antes de ser morto, nesta quinta-feira (4), o ex-vereador Jerônimo Guimarães Filho, anunciou seu apoio às pré-candidaturas de um coronel da Polícia Militar e de um vereador de São Gonçalo. Em uma publicação nas redes sociais no dia 31 de julho, Jerominho escreveu que a população "estará bem representada" por Sérgio Porto (PROS) como deputado federal e Jalmir Júnior (PRTB) como deputado estadual.
Na última segunda-feira (1º), o ex-parlamentar promoveu uma reunião aberta ao público, em sua casa em Campo Grande, na Zona Oeste, que contou com as presenças de Porto, que foi comandante do 15º BPM (Duque de Caxias) e do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv), e de Júnior, vereador no município da Região Metropolitana. Em fotos publicadas nos perfis do PM e de Jerominho, é possível ver o local lotado.
Fundador da Liga da Justiça, uma das principais milícias do Rio de Janeiro, Jerominho declarou em uma transmissão ao vivo no início do ano, que existia "uma vontade da população" para que ele se candidatasse e se colocou à disposição para concorrer à deputado federal pelo Patriota. Poucos dias depois, ele acabou sendo preso por extorsão, mas foi solto depois que o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) publicou um parecer favorável, acatado pela Justiça, que reconheceu o erro na prisão, porque o miliciano já havia cumprido a pena do crime.
Jerominho já havia sido vereador pela cidade do Rio de Janeiro e é irmão de outro integrante da milícia, o ex-deputado estadual Natalino Guimarães. A filha de Jerônimo, a ex-vereadora Carminha Jerominho, também foi presa por usar a milícia para coagir eleitores da Zona Oeste. Ela foi eleita, em 2008, quando estava presa. Nas últimas eleições, Carminha não se elegeu e fez cerca de 4 mil votos.

Morto a tiros em Campo Grande

Ex-policial civil, Jerominho foi baleado por dois tiros de fuzil em frente ao centro social que coordena, na Estrada Guandu Sapé, em Campo Grande. Ele foi atingido na barriga e na perna e chegou a ser socorrido para o Hospital Oeste D'Or, mas não resistiu. O cunhado do miliciano, Maurício Raul Attalah, que estava com ele no momento do ataque, também ficou ferido e foi levado para o Hospital Municipal Rocha Faria.
A Secretaria Municipal de Saúde do Rio (SMS) informou nesta sexta-feira (5) que o estado de saúde do homem é estável. Câmeras de segurança registraram o momento em que um carro branco se aproximou do veículo onde Jerominho estava estacionado e três homens encapuzados e armados descem, fazem pelo menos dez disparos e fogem. A ação durou pouco mais de dez segundos. O caso é investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital (DHC).  

Ainda não há informações sobre o sepultamento do ex-vereador. Na noite de ontem, equipes do 40º BPM (Campo Grande), com o apoio do Grupamento Aeromóvel (GAM), intensificaram o policiamento em diversos pontos de Campo Grande. Na manhã de hoje, a Polícia Militar informou que o reforço permanece no bairro e em outros pontos da Zona Oeste. Nas redes sociais, moradores relataram a presença de blindados e helicópteros da corporação na região.