Elenco do longa ‘A Noite de Virada’ lembra situações reais vividas no Réveillon

Adaptação da peça ‘O Banheiro’, de Pedro Vicente, a comédia é uma produção da O2 em coprodução com a Globo Filmes e o Telecine

Por O Dia

Rio - Trancadas no banheiro de uma casa, poucos minutos antes da chegada do Ano Novo, sete pessoas percebem que suas histórias se cruzam de forma incomum. Naquele instante, a chegada dos próximos 365 dias fica em absoluto segundo plano. Tudo porque, pouco antes, elas descobriram que a festa onde estavam era mais que apenas uma comemoração, ela também marcará novos rumos para suas vidas.

Nesse momento — ponto mais agudo do roteiro de ‘A Noite de Virada’, comédia de Fábio Mendonça que estreia em circuito nacional na próxima quinta-feira —, os protagonistas entendem que o Réveillon pode estar associado a experiências bastante inusitadas. Situação que os próprios integrantes do elenco conhecem bem.

Taumaturgo Ferreira%2C Martha Nowill%2C Marcos Palmeira%2C Júlia Rabello%2C Luana Martau e João Vicente de Castro confraternizam à beira da piscina em 'A Noite da Virada'Divulgação

“Sei que pode parecer a data menos propícia para isso, mas já terminei um namoro exatamente em um Réveillon. Fiquei péssima nos dois primeiros dias do ano. No entanto, quando o dia 3 chegou, eu e minha família decidimos fazer uma nova festa de virada. Foi uma tentativa de reiniciar o ano, que acabou funcionando”, relembra Luana Piovani, que, na produção, interpreta Rosa, uma das metades do casamento infeliz com Mário (Marcos Palmeira).

Adaptação da peça ‘O Banheiro’, de Pedro Vicente, ‘A Noite da Virada’ é uma produção da O2 em coprodução com a Globo Filmes e o Telecine. No filme, um grupo de amigos — alguns próximos, outros, nem tanto — decide passar o Réveillon em uma festa organizada por Ana (Júlia Rabello). Lá, graças a uma série de situações motivadas por crises de ciúmes, infidelidades, desencontros, aditivos artificiais e um alto grau de competitividade — principalmente feminina —, terão suas histórias transformadas.

A produção tem uma característica bastante singular, um personagem que está presente em quase todas as cenas, a casa. Explica-se: praticamente todo o filme foi registrado dentro do imóvel onde a festa acontece.

“Esse foi o desafio que me levou a participar do filme. A trama acontece em apenas um ambiente, os personagens quase não saem da casa — e, durante boa parte do tempo, ficam presos no banheiro. Contar a história dessa maneira é bem mais complicado e exigente, uma vez que os protagonistas, por estarem confinados em apenas um local, se cruzam em vários momentos diferentes da trama”, explicou Mendonça. À frente de seu primeiro longa, o diretor acumula experiências na condução de dois episódios da série ‘Filhos do Carnaval’, da HBO, e ‘Super Sincero’, da TV Globo, além de já ter feito dois curtas-metragens.

Assim como Luana Piovani, ele também tem lembranças de uma situação incomum que viveu numa festa de Ano Novo — embora, no caso dele, a experiência tenha sido de natureza física. “Eu e minha mulher decidimos ficar vários dias dentro de um barco na Ilha Grande. Quando resolvemos voltar à terra, no dia do Réveillon, percebemos que mal conseguíamos ficar de pé — mas o interessante é que não havíamos bebido nada. O que aconteceu é que nós dois passamos tanto tempo embarcados, que acabamos ‘mareados’ e nosso senso de equilíbrio foi prejudicado. Levamos algum tempo para voltarmos ao normal.”

Rosto que passou a ser conhecido do grande público a partir dos vídeos da Porta dos Fundos, João Vicente de Castro — em sua estreia no cinema — tinha uma preocupação bem específica. “Eu não queria parecer caricato. Como, durante a maior parte das filmagens, trabalhamos em um ambiente fechado, a câmera ficava perto demais de nossos rostos, o que aumentava o risco de fazermos caretas. Felizmente, isso não passou nem longe de acontecer e o resultado ficou ótimo.”

Ao contrário de outros integrantes da produção, ele nunca passou por situações inusitadas durante festas de virada de ano. “Réveillon, para mim, é sinônimo de segurança. Talvez este seja o dia em que eu mais goste de me sentir protegido. Evito a todo custo praias e lugares lotados. Passo sempre acompanhado por poucas pessoas — e todas são conhecidas minhas há muitos anos. Prefiro não me arriscar.”

Pensar no Ano Novo faz com que Luana Martau — par romântico de João Vicente no filme — volte à infância. “Eu era pequena e estávamos na Praia de Copacabana para vermos a queima de fogos. Decidi tirar as sandálias e acabei pisando em um cigarro aceso. Terminei a noite chorando no colo do meu pai”, ela se recorda. De lá para cá, os Réveillons foram sem dor.

Dez dias de ensaios

As filmagens de ‘A Noite da Virada’ aconteceram durante cinco semanas, nos estúdios da O2, em São Paulo. Antes disso, porém, os atores ensaiaram por dez dias, no Rio de Janeiro. O objetivo dos ensaios era fazer com que o elenco, passando muito tempo junto, ganhasse intimidade, além de facilitar a interpretação dos personagens.