CBF interdita estádio no Recife depois de morte de torcedor

Homem foi atingido por um vaso sanitário jogado do alto de arquibancado e morreu no local

Por O Dia

Brasília - A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) interditou neste sábado o Estádio do Arruda, no Recife, após a morte de um torcedor durante a partida entre o Santa Cruz e o Paraná, válida pelo Campeonato Brasileiro da Série B. O torcedor foi atingido por um vaso sanitário e morreu no local. A polícia informou que outro vaso chegou a ser arremessado, mas não atingiu nenhum torcedor.

Em nota, a CBF justificou a medida pela “gravidade do incidente” e informou que ela tem validade a partir de hoje até que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) “analise o caso e tome as providências cabíveis”.

O ato administrativo, assinado pelo diretor de Competições, Virgílio Elísio, e pelo diretor Jurídico, Carlos Eugênio Lopes, também tem efeito de representação da CBF no STJD para as medidas necessárias. A polícia ainda tenta identificar, pelas imagens das câmeras de segurança, quem jogou o vaso sanitário da arquibancada superior do estádio próximo a um dos portões.

Recife é uma das cidades-sede da Copa e receberá cinco jogos na Arena Pernambuco.

Vídeo: Câmera de segurança flagra o momento em que o vaso sanitário atinge o torcedor do Sport no estádio do Arruda


Entenda o caso

Um torcedor morreu na noite desta sexta-feira após ser atingido por um vaso sanitário arremessado da arquibancada do estádio Arruda. Paulo Ricardo Gomes da Silva, de 26 anos, passava pelo portão seis logo após a partida entre Santa Cruz e Paraná pela Série B do Campeonato Brasileiro. O agressor não foi identificado e não houve nenhum detido. Ele era torcedor do Sport e havia saído de casa para fotografar a torcida do Paraná - prática usual entre torcidas aliadas em diferentes estados.

Torcedor morreu depois que foi atingido por vaso sanitário no Arruda DHPP/Divulgação

A torcida do Santa Cruz foi orientada pela Polícia Militar a deixar o estádio antes da torcida visitante, mas uma organizada armou uma emboscada para a torcida rival. Quando deixaram o estádio, 15 minutos depois, os torcedores do Paraná foram recebidos com três bombas e obrigados a recuar. Dois vasos sanitários foram arrancados dos banheiros e atirados do anel superior do estádio.

Paulo Ricardo morava no bairro de Pina e trabalhava como soldador na indústria naval do Cabo de Santo Agostinho, Região Metropolitana do Recife. Ele fazia parte de uma torcida uniformizada do Sport. Na bolsa da vítima os bombeiros encontraram vários fotografias da partida.

Três pessoas ficaram feridas na confusão, uma em estado grave. Vanderson Wilderlan Gomes, nascido em 1992, sofreu escoriações na cabeça e nas pernas e foi encaminhado para o Hospital da Restauração, zona central do Recife. Ele não corre risco de morte. José e Adrien Ferreira de Lima, nascido em 1993, e Tarkini Kauã Gonçalves de Araújo, nascido em 1994, machucaram as pernas e seguiram para o Hospital Getúlio Vargas.

Últimas de _legado_Brasil