Luta em favor da solidariedade em Meriti

Projeto Kbçativa oferece atividades de graça para moradores

Por O Dia

Enquanto a dona de casa Nilsete da Silva, de 61 anos, aprende a cozinhar quiche de salmão com rúcula, queijo tofu e alho poró com casca de melancia, o adolescente Yan Gonçalves, de 14, pratica judô e skate. Tudo no mesmo lugar e, melhor, de graça. Há sete anos, o projeto social Kbçativa oferece opções de atividades físicas e de formação profissional a moradores de São João de Meriti.

A iniciativa começou em 2007 com aulas de skate, capoeira e grafite. Hoje, o projeto oferece também culinária, dança, judô e futsal. A instituição atende a mais de 600 integrantes e conta com 17 professores voluntários.

O empresário Leandro Peckle, 35, responsável pela instituição, conta que o projeto começou por seu amor ao skate. “Realizamos o Circuito Kbçativa de skate amador para tirar os jovens das ruas. Foi um grande sucesso e decidimos criar oportunidades também em outras áreas”, explica o empresário.

Segundo ele, a principal dificuldade é manter os instrutores. “Eles são voluntários e, muitas vezes, vão em busca de estudo e emprego”, diz.

O projeto já teve aulas de caratê, boxe tailandês e reforço escolar. “Quando as oportunidades aparecem, não temos como segurar nossos voluntários”, afirma Peckle.

As aulas do esporte são realizadas às quartas-feiras, das 14h às 17h. Os alunos aprendem noções básica do skate, manobras e equilíbrio. “O objetivo é ampliar as oportunidades para que crianças e jovens pratiquem o esporte e sigam o caminho do bem”, destaca o instrutor voluntário Augusto Cesar, 22 anos.

Curso de culinária é um dos mais procurados no projeto socialEstefan Radovicz / Agência O Dia

No projeto Ecobuffet, os alunos aprendem receitas de pratos e como reaproveitar alimentos que usualmente são jogados no lixo. A ação conta com a parceria da Secretaria de Estado do Ambiente.

O curso, que tem duração de cinco meses, é desenvolvido com base em quatro pilares: aproveitamento total de alimentos, geração de renda, redução de resíduos orgânicos e educação ambiental.

De acordo com a nutricionista e professora Jocelene de Oliveira, de 48 anos, o foco da ação é na qualificação da mão de obra. “O objetivo é a empregabilidade através de parcerias com a iniciativa privada local. No fim do curso, nossos alunos recebem certificado com chancela da Uerj. É uma grande oportunidade para gerar renda”, ressalta ela.

Aluna do EcoBuffet, Nilsete da Silva conta que aprendeu a não desperdiçar os alimentos. “A gente aprende a fazer pratos sensacionais, aproveitando as partes dos alimentos que costuma jogar no lixo. Quero muito conseguir um emprego quando concluir o curso”, diz, animada, a dona de casa.

Futsal e judô são os esportes mais procurados

O futsal é o esporte mais procurado. Cerca de 100 crianças e adolescentes, de 5 a 17 anos, treinam de segunda-feira a sábado em três períodos. E os resultados têm sido positivos. Eles já foram campeões da Copa Rio no ano passado e este ano ficaram em segundo na competição.

Nas aulas de skate alunos aprendem manobras e equilíbrioEstefan Radovicz / Agência O Dia

Já as aulas de judô são às segundas, quartas e sextas-feiras, das 18h30 às 21h. São cerca de 50 alunos, de 5 a 60 anos, que aprendem iniciação, disciplina e estudo do esporte com aulas teóricas e práticas. “Sonho em me tornar um campeão olímpico e, por isso, treino a cada dia para mostrar que em nossa vida tudo é possível”, afirma o judoca Yan Gonçalves, de 14 anos, que já foi três vezes campeão carioca.

O requisito exigido para participar do projeto é que a criança ou o adolescente esteja matriculado na escola e apresente bom rendimento.

Grafite e dança contemporânea fazem sucesso

A quadra poliesportiva do bairro Vila Rosali tinha a aparência suja, e os muros eram pichados antes da existência do projeto. Hoje, os mesmos muros são locais para exibição de arte.

Os artistas principais são os próprios alunos do curso de grafite. As aulas são às segundas e quartas-feiras das 19h às 21h. “Eles aprendem técnica de grafite com spray, técnicas de desenho, história, legislação e a customizar materiais”, explica o instrutor Alexandre Kdoum, de 39 anos.

Dança, modalidade mais nova no espaço, já foi premiada em festival de Nova IguaçuEstefan Radovicz / Agência O Dia

A modalidade mais nova no espaço, mas não menos importante, é a dança, que teve início em julho deste ano. Os ensaios são às segundas, quartas e sextas-feiras, das 14h às 17h. Apesar do pouco tempo, o grupo de dança Kbçativa já foi premiado com a terceira posição no festival de dança de Nova Iguaçu. “O foco é a street dance e a dança contemporânea”, revela a instrutora Letícia Barros, de 19 anos.

Últimas de _legado_O Dia na Baixada