Heróis da resistência

Por Marcos Espínola Advogado criminalista

Marcos Espínola, colunista do DIA
Marcos Espínola, colunista do DIA - Divulgação

Podemos dizer que o Rio de Janeiro é, diante dos seus mais de 450 anos, a representatividade do povo brasileiro no que diz respeito à insistência, à persistência e, principalmente, à resistência. Já esteve no topo da política nacional e, hoje, infelizmente, amarga realidade que configura um marco em sua história, porém de forma negativa e sem precedentes.

Aqui já foi a capital do país, porta de entrada do Brasil e uma das cidades mais conhecidas no mundo inteiro. Ainda é a capital cultural, detém a chancela de promover uma das maiores festas populares do mundo. É aqui também que abriga o templo do futebol. Palco por onde passaram nada mais é nada menos do que Pelé e Garrincha. Mantém-se como um dos pontos turísticos mais visitados do planeta, com a bênção do Cristo Redentor e as belas praias, como a de Ipanema, imortalizada por Vinicius.

Seria tudo perfeito se tudo fosse só isso. Mas, lamentavelmente não. Os últimos episódios colocaram o Rio de Janeiro no topo do noticiário mundial da forma mais triste possível. A prisão dos três últimos governadores, além de outros políticos, rebaixa o Rio para um patamar melancólico. E a expectativa de que isso não deve parar por aí traz ainda mais incertezas.

As suspeitas de esquemas de corrupção envolvem cifras astronômicas e transações inacreditáveis. Demonstram que a falência tão citada nos últimos tempos começa a fazer sentido, ou seja, se houve essas sangrias, podemos entender o porquê do caos econômico, da trágica saúde pública, da educação precária e do domínio dos narcoguerrilheiros.

E mesmo com tudo isso a cidade e o Estado do Rio continuam pé, embora não saibamos até quando. O Rio apanha e demonstra que tem "couro forte", pois, se fosse diferente, muito provavelmente a falência total já teria sido concretizada. A população agoniza muito e há tempos, mas mesmo assim não desiste, insiste e resiste. Heróis da resistência que merecem, enquanto cidadãos brasileiros, mais respeito e condições mais dignas de vida.

Seja pedreiro, taxista, policial ou executivo, todos são iguais perante a lei, e a Constituição é clara nos direitos básicos e de igualdade que garantem para todos os brasileiros.

Fica o desejo de que tudo isso que esteja acontecendo seja, além de negativo, sinal de novos tempos de uma Cidade ainda Maravilhosa por sua beleza, mais castigada extremamente.

Comentários

Últimas de Opinião