Estado de saúde de assessora de Ana Hickmann é estável

Giovana Alves de Oliveira está lúcida e com sinais vitais estáveis, mas seu quadro ainda inspira cuidados

Por O Dia

Minas Gerais - Giovana Alves de Oliveira, assessora de Ana Hickmann que foi baleada no sábado, após um homem invadir o quarto da apresentadora, está lúcida e com sinais vitais estáveis. Porém, seu quadro ainda inspira cuidados. Segundo o boletim do hospital Biocor, Giovana passou por uma cirurgia de emergência para tratar lesões intestinais e vasculares, está na UTI e respira sem ajuda de aparelhos.

A assessora foi baleada ontem após Rodrigo Augusto de Pádua, 30 anos, invadir o quarto do hotel Ceasar Business, em Belo Horizonte, onde Ana Hickmann estava hospedada.

LEIA MAIS:

Homem que tentou matar Ana Hickmann vendeu produtos para bancar viagem

Marido de Ana Hickmann após atentado: 'Meu irmão é o meu herói'

Ana Hickmann sofre tentativa de homicídio em Belo Horizonte

Conforme a Polícia Civil, Rodrigo se hospedou no hotel na sexta-feira, 20. Ontem, depois do almoço, abordou Gustavo Correa, empresário e cunhado da apresentadora, no elevador com um revólver calibre 38 e o obrigou a levá-lo até onde Ana estava com Giovana. O agressor mandou que os três se sentassem virados para a parede e passou a dizer frases desconexas e gritar com a apresentadora.

Segundo o capitão da Polícia Militar Flávio Santiago, o assessor da apresentadora começou a discutir com Pádua sobre suas intenções. "Ele falava palavras desconexas e aparentava sofrer algum tipo de confusão mental", disse. Pelo que se apurou, o alvo da fúria seria a apresentadora, alvo de xingamentos e queixas confusas.

Ana Hickmann e Gustavo relataram ao delegado Flávio Grossi que, no momento da discussão, Rodrigo teria disparado duas vezes e acertado Giovana. As balas atingiram a assessora no ombro e na barriga. O empresário, então, começou a lutar com Rodrigo, tomou-lhe a arma e o acertou três vezes, inclusive na cabeça.

O capitão Santiago afirmou que, na sequência, o cunhado da apresentadora entregou a arma na recepção do hotel e pediu que a polícia fosse chamada. A Polícia Civil de Minas Gerais aponta para reação em legítima defesa.

Ana Hickmann foi ouvida ainda no sábado pelo Departamento de Investigação de Homicídio e Proteção à Pessoa, no bairro Bonfim, Região Noroeste de Belo Horizonte, e liberada, assim como seu empresário.

Últimas de Brasil