Servidor: Educação pagará férias dos professores até a próxima segunda-feira

Crédito era incerto e, nesta terça-feira, o secretário da pasta, Wagner Victer, confirmou à coluna que o benefício será pago aos funcionários

Por O Dia

Rio - Os professores e demais servidores ativos da Secretaria Estadual de Educação entraram em recesso este mês e o pagamento do adicional de férias não era previsto para sair tão cedo. Mas, nesta terça, o secretário da pasta, Wagner Victer, informou à coluna que pagará os valores devidos até a próxima segunda-feira, dia 30.

O secretário disse que o crédito foi acordado após reunião ontem com o governador Luiz Fernando Pezão e o secretário de Fazenda, Gustavo Barbosa. E, segundo Victer, o pagamento será feito integralmente com verbas do Fundeb. Aliás, os salários das categorias que compõem a Educação vêm sendo quitados no décimo dia útil — diferentemente das outras classes — também com recursos do fundo.

“O pagamento será feito até a próxima segunda-feira. Com isso, conseguimos colocar em dia a questão dos servidores ativos da Educação, o que só é possível com boa gestão de recursos do Fundeb, que estamos conseguindo implementar até então”, declarou.

Por lei estadual, os servidores da Educação entram em recesso escolar em janeiro e, por isso, o pagamento deve ser feito ainda no mês. Mas, em meio à crise financeira do estado, a pasta e a Secretaria de Fazenda não confirmavam à coluna que iriam fazer o depósito.

Já o calendário de pagamento dos salários atrasados de dezembro de diversas categorias ainda não foi divulgado e a promessa é de que seja definido até sexta-feira. Os vencimentos teriam que ser depositados no 10º dia útil de janeiro (dia 13). Já se passou pouco mais de uma semana e os servidores ainda não têm previsão de quando o dinheiro cairá na conta.

Até agora, do Executivo, receberam dezembro ativos da Educação (incluindo Degase), ativos da Fazenda, e ativos e inativos da Segurança (Bombeiros, agentes penitenciários, policiais civis e militares). Segundo fontes, servidores da Procuradoria Geral do Estado também foram pagos.

Últimas de Economia