Dunga confia no 'capitão Neymar' e mostra otimismo para a Copa América

Treinador convocou os 23 jogadores que irão defender o Brasil no torneio continental, em junho, no Chile

Por O Dia

Rio - Sem surpresas, o técnico Dunga divulgou, na manhã desta terça-feira, a lista de 23 jogadores que disputaram a Copa América, no Chile. O grupo se apresenta dia primeiro de junho, para começar a preparação na Granja Comary, em Teresópolis. A Seleção ainda faz dois amistosos, dia 9, contra o México, na Arena Palmeiras, e dia 10, diante de Honduras, no Beira-Rio. O Brasil estreia na competição sul-americana dia 14, contra o Peru, em busca da nona conquista do torneio na história. O último título foi em 2007, também sob o comando de Dunga.

LEIA MAIS: Dunga convoca a seleção brasileira para a Copa América

Neymar, principal jogador da Seleção, e Marcelo podem perder o período de treinos na Granja e os dois amistosos, caso Barcelona e Real Madrid se classifiquem para a decisão da Liga dos Campeões. O treinador da Seleção, no entanto, afirma estar torcendo pela dupla. Confira a seguir a entrevista concedida por Dunga, na sede da CBF.

Oscar está se recuperando de lesão e está fora da Copa AméricaEfe

Everton Ribeiro no lugar de Oscar
"O Oscar teve uma lesão no último treinamento do Chelsea. Nós falamos com o Mourinho e com o médico do Chelsea. Eles nos passaram que a recuperação do Oscar será um pouquinho prolongada, ele não estará nas melhores condições na Copa América. Contamos com ele. Achamos melhor ele estar preparado para as Eliminatórias. O Everton já esteve conosco, terá mais uma oportunidade, tem a característica do drible, importante para o futebol brasileiro, vai estar com a gente."

Grupo sempre aberto
"O grupo não está fechado. Todo jogador que tem destaque terá oportunidade. Logicamente que temos os jogadores que estão vindo conosco frequentemente e tendo resultado, um aproveitamento que nos satisfaz, e que não tenho motivo para mudar. Se em momento tivermos que chamar algum jogador para uma experiência, para ter um leque maior, vamos chamar. Até para quando tiver uma competição como essa, a gente tenha maior possibilidade de convocar jogadores sem cometer erros."

Confiança no título
"Trabalhando na Seleção, o objetivo é sempre esse: ganhar. A cobrança é muito grande. Sabemos das dificuldades que vamos encontrar, vamos nos preparar da melhor maneira possível. Temos que ter esse objetivo na cabeça."

Comportamento dos adversários
"A postura dos adversários até em amistosos é diferente contra o Brasil. A competição é no Chile, eles vão fazer de todo para vencer uma Copa América, até pelos bons resultados que tem conseguido ultimamente. É final temporada, dificulta bastante. Nas eliminatórias são duas partidas por mês, você pega os jogadores em melhores condições físicas. São problemas que teremos que enfrentar."

LEIA MAIS: Convocado, Diego Tardelli diz: 'Farei de tudo para recompensar esse apoio'

Expectativa para a volta da Seleção ao Brasil depois dos 7 a 1 para a Alemanha
"A expectativa é a melhor possível. Depois da Copa, voltar a jogar no Brasil. Tem muita cobrança de se fazer mais amistosos no Brasil. Vamos aproveitar a oportunidade e fazer dois, um em São Paulo e outro em Porto Alegre para ficar perto do torcedor, aproveitar essa energia, pedir contribuição. Que os jogadores se sintam abraçados como sempre foi em casa. E de nossa parte, temos que fazer bom jogo e vencer para deixar torcedor feliz e do nosso lado."

Dunga de 2007 x Dunga de hoje
"A gente muda a cada dia, se aprimora, tenta buscar mais qualificação, não só em termos técnicos, mas também como pessoa. A gente fica mais velho, mais experiente, passa a ter mais paciência, pensa duas, três vezes antes de tomar uma decisão. A gente tenta melhorar a cada dia, ter uma nova visão das coisas, mas a essência, esta dificilmente vai mudar."

Real Madrid, de Marcelo, e Neymar, do Barcelona, estão na semifinal da Liga dos CampeõesReprodução Twitter

Possibilidade de Neymar e Marcelo estarem na final da Liga dos Campeões 
"Espero que os dois estejam lá, isso dá confiança. Vamos esperar acontecer e depois tomar decisões. Sobre o treinamento, não é o ideal, mas é o que temos. O grupo se apresenta dia primeiro, faz dois dias de exames e testes, treina quarta, quinta, sexta e sábado já faz um treino mais reduzido. Temos que aproveitar da melhor maneira possível, levar em conta que é final de temporada. Primeiro, ver como vão chegar os jogadores. Se com lesão ou dor que possa atrapalhar. Em cima dos dados dos testes, vamos começar o treinamento. Como é final de temporada, não podemos exceder muito para não termos problemas com lesão. O mais importante é que cheguem inteiros para começar a Copa América."

Time ideal
"A seleção brasileira não tem time ideal. Tem que chegar o mais próximo de um grupo. Vai ganhar jogos e campeonato tendo grupo. Vão acontecer lesões mudanças táticas, temos que estar preparados. Olhamos os jogadores nos clubes e esperamos o mesmo desempenho na Seleção, mas nem sempre é possível. Por isso, temos que dar condições para que possam jogar o futebol que jogam nos clubes. São muitos jogadores. Vai ser o time do momento, com os jogadores no melhor momento e forma física naquele instante."

Diego Tardelli e o futebol chinês
"No futebol globalizado, a cada momento se abrem novos mercados. É o fator econômico. Os nossos jogadores, felizmente todas as partes do mundo querem. Temos que acompanhá-lo. Ele já esteve conosco e teve um ótimo rendimento retornando depois de lesão. Falei há um tempo que jogadores desses mercados vão ter uma cobrança bem maior. Serão muito questionados se são competitivos ou não. Eles têm que estar preparados e fazer algo mais para se manterem e terem o rendimento que sempre tiveram na Seleção."

LEIA: Dunga analisa papel de Robinho e revela conversa com o goleiro Jefferson

Dúvidas na hora de convocar
"Não é questão de dúvida. A gente tenta buscar o melhor para a seleção brasileira, montar uma equipe dentro do padrão para que os jogadores cheguem e não tenham muita dificuldade. A gente analisa o rendimento nos últimos amistosos da Seleção, tenta buscar informação a todo instante. Vamos sempre buscar jogadores com experiência, fome de jogar pela seleção e também a juventude, que é importante."

Neymar é o capitão da nova era DungaMowa Press

Neymar capitão
"A gente espera o que ele tem feito nos amistosos. Quando o colocamos de capitão, todos tinham uma expectativa de como ele ia se comportar e tem se comportado. Pode ser casual, mas até o rendimento e os gols pelo Barcelona aumentaram. Isso se deve à maturidade e à capacidade dele de driblar desafios. Ele tem correspondido. Espero que continue sendo referência."

Chefe da delegação na Copa América
"A minha escolha é técnica, sobre os jogadores. Se ele me chamou (de teimoso), não foi o primeiro e não será o último, então está tudo certo. O tempo é o senhor da verdade."

Escolha do grupo
"Na Copa América, todos os adversários são difíceis. Contra o Brasil, a motivação é maior ainda. Sabemos da responsabilidade e temos que enfrentar cada jogo como uma decisão. A escolha foi feita com a comissão técnica em cima de avaliações. Levamos em conta a questão do rendimento na Seleção e no clube, o momento, a experiência, tipo de jogos que vamos jogar e característica que vamos precisar."

Os treinos na Granja Comary
"Como foi na Copa do Mundo eu não sei porque eu não estava lá. Mas qualquer trabalhador, independentemente de ser do futebol ou não, tem que ter um momento mais reservado. Entendemos que o torcedor gosta de estar perto, vamos respeitar, vai ter esse momento, para a imprensa também, mas também vai ter o momento de a Seleção ter certa tranquilidade para trabalhar. Não serão todos os treinos, mas um ou outro. Fechar a Granja é impossível. Para o futuro, podemos observar alguma coisa que possa dar algo mais reservado. Quero pedir bom senso pelo bem da Seleção. Em algum momento ficaremos mais reservados para o jogador errar, repetir quatro, cinco vezes até dar certo sem muito rumor."

Resgate do futebol brasileiro depois dos 7 a 1
"O que aconteceu na Copa foi um fato único. Comenta-se muito do resgate. Lógico que a gente quer ganhar, a Seleção é referência. Mas o futebol brasileiro continua sendo admirado, e a camisa do Brasil, valorizada. É só vermos a importância que a França deu para o jogo contra o Brasil, que o Chile deu... Isso demonstra que a Seleção continua sendo respeitada. Quando cheguei, falavam que a Colômbia era o jogo-chave. Depois, o segundo, o terceiro... O mais importante agora é o México. Temos que ter mentalidade competitiva e vencedora. Nem sempre vai conseguir ganhar, mas tem que estar sempre muito perto da vitória."

Dunga mantém coerência na convocação da seleção brasileira para a Copa AméricaCarlos Moraes

Estágio atual da Seleção e importância dos jogadores que atuam na Alemanha para essa evolução
"A gente não está como nós gostaríamos. Não só eu como a própria comissão. Somos muito exigentes e perfeccionistas, não nos contentamos com o que conseguimos até o momento. Vamos buscar, incessantemente, chegar ao nível que queremos. Ter jogadores na Alemanha é importante pela mentalidade, pela cobrança que futebol alemão tem de postura de ser competitivo sem perder a qualidade técnica. É a atual campeã do mundo. Ter jogadores na Bundesliga sendo respeitados faz com que eles tragam uma mentalidade positiva para a Seleção."

Diferenças entre Brasil e Alemanha
"O futebol a gente tem que pensar diariamente. Vimos durante a Copa e estamos ouvindo ainda diariamente se falar em futebol moderno, novas táticas, novos sistemas, nova forma de jogar. Aí, no últimos meses, fui ver novamente as partidas da Copa e os meus jogos de quando eu atuava na Itália e o que se comentava. Vi todas as equipes, ou praticamente todas, com a exceção do Chile que marcava lá na frente, marcando atrás do meio-campo, às vezes dez metros atrás da linha. Na Itália se usava o termo catenaccio italiano. Mas agora se dá mais ênfase à equipe compacta, com velocidade, aproveitando a qualidade técnica dos jogadores. Isso me fez pensar se estamos atrasados e os outros modernos, ou se trocamos a palavra catenaccio para compacto. Mas ainda continua a qualidade técnica fazendo a diferença. O drible, a criatividade. Se medirmos só pela Copa, vai ter distância, mas ao longo do tempo, não estamos tão atrasados como todos falam. "

O que o Brasil tem de melhor?
"O que gostamos mais é da personalidade dos jogadores depois de tudo aconteceu Copa do Mundo, buscando o drible, o gol incessantemente, contra equipes da Europa, o Chile, que foi bem na Copa... A Seleção era competitiva, mas em algum momento deixou de lado a qualidade brasileiro. Agora está resgatando o drible, a forma de jogar."

Jogos Olímplicos
"Gosto muito atletismo, esporte individual, atleta tem que se prepara três quatro anos e não pode última semana relaxar baixar guarda, só depende dele. outros interessantes, vôlei, basquete, em geral gosto de todos. Pratiquei alguns na escola, felizmente minha época todas escolas tinha educação física. Gostava muito, nos gostávamos mais de educação física que de matemática, geografia..."

Últimas de Esporte