Liderança no Brasileiro não causa euforia no Botafogo

Alvinegro chegou a primeira colocação mesmo com problema financeiros

Por O Dia


Rio - Quem presenciou o desembarque do Botafogo após a vitória sobre o Fluminense na Arena Pernambuco teve a impressão de que o time não tinha conseguido a vitória e que muito menos se tratava do atual líder do Campeonato Brasileiro. Com caras fechadas, os jogadores deixaram rapidamente o local e hoje retomam os treinamentos no campo anexo do Engenhão. Apesar dos poucos sorrisos, o uruguaio Lodeiro falou sobre a importância de estar no topo da tabela.

Elenco do Botafogo não quer salto alto por liderançaDivulgação

“A liderança representa muito para nós, pois sempre trabalhamos para isso. Temos de desfrutar este momento e continuar trabalhando ainda mais. Não ter estádio no Rio é uma situação difícil. Temos de trabalhar em dobro e encarar viagens longas, mas temos que seguir neste caminho. É mérito do grupo”, disse o meia.

O volante Marcelo Mattos não fugiu dos problemas e ratificou a importância de ser líder mesmo com os salários atrasados. “A liderança é o reflexo de um grupo de profissionais que entra em campo para fazer seu melhor, independentemente da situação financeira que estamos passando. A gente está colocando o Botafogo no seu melhor lugar”, garantiu Marcelo Mattos que já entrou em campo com a camisa do Botafogo 112 vezes e marcou apenas um golzinho.

Feliz com o primeiro lugar na tabela, o goleiro Jefferson pede concentração total para o time se manter na liderança do campeonato brasileiro.

“A liderança é tudo para nós. É um recomeço no Brasileiro e vamos tentar manter a concentração. Teremos a semana para trabalhar para mantermos a posição”, explicou o camisa 1, que estará em campo no domingo contra o Grêmio, na nova arena do time gaúcho.

Mesmo feliz com a liderança na tabela, Jefferson foi enfático ao negar que tenha sido pênalti na no lance em que disputou a bola com o tricolor Rafael Sobis aos 22 minutos do segundo tempo.

“Não foi pênalti de maneira alguma. Quem viu o jogo pôde observar que vou na bola, nem atinjo ele (Rafael Sóbis). Depois que o Sóbis cai em cima de mim. Estou com a consciência tranquilíssima. Não foi nada polêmico. Fui frio na jogada para tocar somente na bola”, completou o goleiro alvinegro.

Jogo na Arena Pernambuco deu um prejuízo de R$ 41 mil

A ideia de mandar o clássico com o Fluminense na Arena Pernambuco foi bem recebida pelo técnico Oswaldo de Oliveira, que fez questão de elogiar o gramado. No entanto, financeiramente, o jogo deu prejuízo ao Botafogo de R$ 41.465,24.

“Pelas condições que nós tivemos aqui em Recife, acho que foi maravilhoso poder jogar em um estádio e um campo como esse. É inestimável. Foi um grande jogo porque o palco proporcionou. Só lamento que precise ser jogado aqui, seria um brinde a nossa torcida ter o clássico no nosso estado. Quero agradecer a hospitalidade e as condições maravilhosas”, elogiou Oswaldo.

A Federação de Futebol do Rio de Janeiro mesmo longe arrecadou com a partida R$ 36.855,00 e a Federação Pernambucana ficou com R$18.427,50. O aluguel do estádio usado na Copa das Confederações custou R$ 270 mil.