Estudo diz que uso constante do Facebook pode gerar depressão

Resultado mostrou que os universitários estão mais propensos em ter estes sintomas, pelo fato de ainda estarem em um processo de estruturação da carreira

Por O Dia

EUA - Um estudo da Universidade de Houston revelou, em uma publicação no Journal of Social and Clinical Psychology na última segunda-feira, que o uso constante do Facebook pode impulsionar depressão. De acordo com o artigo, quando as pessoas navegam na rede social os usuários são expostos a comparações o tempo todo, o que potencializa o desenvolvimento da doença.

“É importante ressaltar que a maioria das pessoas se expõe no Facebook, então costumam postar apenas coisas boas da própria vida. No entanto, se não percebemos que isso está acontecendo e tentamos nos comparar sentiremos que, de fato, não estamos no mesmo patamar que nossos amigos”, relata o pesquisador Mai-Ly Steers, responsável pela pesquisa.

Usuários do Facebook estão expostos a comparaçõesReprodução Internet

Além disso, Steers diz que os viciados no Facebook podem comparar frequentemente suas vidas com as de outras pessoas e ter a sensação que lhe falta algo.

Ao todo foram analisadas 154 pessoas com idade entre 18 e 42 anos, que usam a rede social diariamente. Depois de duas semanas do início da pesquisa, os usuários foram submetidos a um questionário para examinar os sintomas de depressão e o nível de comparação social.

De acordo com os pesquisadores, foi possível concluir que as pessoas que utilizam o Facebook constantemente muitas vezes se comparam com os amigos e apresentam sintomas de pressão, com falta de esperança em um futuro melhor e tristeza. O resultado também apresentou que os universitários estão mais propensos em ter estes sintomas, pelo fato de ainda estarem em um processo de estruturação da carreira.

Os pesquisadores informaram que a utilização constante da rede social impacta negativamente no humor, independente do tipo de comparação que o usuário faça. Segundo os examinadores, mesmo que os internautas se comparem a pessoas que considerem "menos afortunadas" podem ter um sentimento negativo.

“Talvez as pessoas com baixa autoestima estabeleçam comparações sociais no Facebook para melhorar a visão que têm de si mesmos, entretanto, depois de fazer isso, eles, na realidade, se sentem piores”, divulgou a pesquisa.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência