Mulher que caiu da Ponte não vai processar empresa de ônibus

Cunhada diz que vítima não quer mais pensar no acidente: "Graças a Deus o pior já passou"

Por O Dia

Rio- Três dias após o acidente, a família da mecânica Isabel Cristina Anacleto, de 39 anos, arremessada da ponte Rio-Niterói na manhã do último sábado disse não ter a intenção de processar a empresa do ônibus que atingiu o carro da vítima . De acordo com a cunhada, Daniele Lemos, a intenção é “esquecer o assunto”.

“A gente não quer mais mexer nisso. A Isabel também não quer mais saber do acidente. A maior recompensa é a vida delas. Esse é o nosso presente”, disse ela, mãe de Adriele, adolescente de 14 anos que estava no carro no momento da colisão com o ônibus. A menina nada sofreu.

O Gol em que Isabel a sobrinha de 14 anos viajavam ficou completamente destruído. A mulher foi projetada da pista para a Baía de GuanabaraFábio Gonçalves/ Agência O DIA

De acordo com a CCR Ponte, que administra a via, o Gol que Isabel dirigia teve um problema mecânico e ela saiu para ver o que havia acontecido. O motorista do ônibus da viação Tursan Turismo Santo André, que vinha logo atrás, não conseguiu frear e atingiu o veículo, projetando Isabel para as águas da Baía de Guanabara.

O acidente aconteceu no trecho conhecido como Grande Reta, na pista sentido Niterói. Pescadores que estavam no local ampararam a mulher, jogaram uma boia e ofereceram agasalhos a ela até a chegada do Grupamento Marítimo de Botafogo (1º GMar), que a levou para o hospital.

Isabel segue internada no Hospital Souza Aguiar, no Centro, sem previsão de alta. “Ela ainda está muito inchada porque bebeu muita água quando caiu da ponte, mas passa bem. Foi um susto muito grande, mas graças a Deus o pior já passou”, disse a cunhada.

Últimas de Rio De Janeiro