Adolescente é atingido por bala perdida em Niterói

Caio Robert Carvalho Rodrigues, de 15 anos, foi baleado enquanto brincava em condomínio no bairro do Fonseca

Por O Dia

Caio abraçado à mãe Gracielle Reprodução

Rio - Um adolescente de 15 anos foi atingido no braço direito por uma bala perdida no play de um edifício na Avenida João Brasil, no Fonseca, em Niterói. Caio Robert Carvalho Rodrigues brincava com cinco amigos, às 18h deste sábado, quando foi baleado. Natural de Barbacena, ele aproveitava as férias, há 15 dias, na casa de um primo, e voltaria, no domingo, para Minas Gerais. Ele é a nona vítima de bala perdida em oito dias na Região Metropolitana.

“E se tivesse pego na cabeça? Ainda bem que isso não aconteceu”, disse X, de 11 anos, que estava no mesmo brinquedo que Caio no momento do incidente. O prédio fica próximo à Vila Ipiranga, uma das maiores favelas da cidade. “Daqui sempre escutamos o barulho de tiros. Mas ontem (anteontem), quanto a gente estava brincando, não escutamos nada. Só quando a bala acertou o braço do Caio”, contou Y, de 15 anos. Moradores relatam que, apesar dos tiroteios frequentes, esta foi a primeira vez em que houve vítima dentro do prédio.

A mãe da vítima, Gracielle Carvalho Milagres, de 33 anos, havia deixado o edifício algumas horas antes do incidente. “Vi no noticiário os casos de balas perdidas dos últimos dias, mas nunca ia imaginar que isso fosse acontecer com meu filho, dentro de um prédio. A gente tende a pensar que o perigo está na rua, né?”, disse a professora. “Desde que ele tinha 2 anos, trago o Caio para Niterói, mas ainda não sei se ele vai querer voltar. Está muito abalado”, completou.

A vítima foi levada para o Hospital de Clínicas Alameda e, em seguida, transferida para o Hospital Icaraí. Até o fechamento desta edição, não havia previsão para a retirada do projétil. “Os médicos disseram que talvez seja melhor esperar para remover a bala”, contou a mãe.

LEIA: ONG faz ato em Copacabana e homenageia crianças vítimas da violência no Rio

O caso foi registrado como lesão corporal na 78ª DP (Fonseca). A Polícia Civil vai chamar familiares para prestar depoimento e analisará imagens do circuito de segurança do prédio.

Colegas mostram brinquedo em que estavam quando Caio foi baleado em condomínio do FonsecaMaíra Coelho / Agência O Dia

Adultos e crianças foram atingidos

?Em apenas oito dias, foram registrados nove casos de bala perdida na Região Metropolitana do Rio. No sábado, um tiroteio no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte, deixou uma mulher ferida.

Na sexta-feira, Edilton dos Santos, de 20 anos, foi baleado quando assistia a campeonato de skate no Parque Madureira. Na véspera, Lavínia Crissiulo, de 3 anos, fora atingida no peito, no Centro.

No último dia 18, Asafe Costa de Ibrahim, de 9 anos, foi vítima de bala perdida ao sair da piscina do Sesi de Honório Gurgel para beber água — ele morreu dias depois. No dia 16, Larissa de Carvalho, de 4 anos, também não resistiu aos ferimentos depois de ser atingida na cabeça, em Bangu — mesmo bairro das vítimas Carlos Eduardo Rodrigues e Márcia Costa. Já William Robaina foi atingido em Santa Cruz.

Últimas de Rio De Janeiro

Adolescente é atingido por bala perdida em Niterói O Dia - Rio De Janeiro

Adolescente é atingido por bala perdida em Niterói

Caio Robert Carvalho Rodrigues, de 15 anos, foi baleado enquanto brincava em condomínio no bairro do Fonseca

Por O Dia

Caio abraçado à mãe Gracielle Reprodução

Rio - Um adolescente de 15 anos foi atingido no braço direito por uma bala perdida no play de um edifício na Avenida João Brasil, no Fonseca, em Niterói. Caio Robert Carvalho Rodrigues brincava com cinco amigos, às 18h deste sábado, quando foi baleado. Natural de Barbacena, ele aproveitava as férias, há 15 dias, na casa de um primo, e voltaria, no domingo, para Minas Gerais. Ele é a nona vítima de bala perdida em oito dias na Região Metropolitana.

“E se tivesse pego na cabeça? Ainda bem que isso não aconteceu”, disse X, de 11 anos, que estava no mesmo brinquedo que Caio no momento do incidente. O prédio fica próximo à Vila Ipiranga, uma das maiores favelas da cidade. “Daqui sempre escutamos o barulho de tiros. Mas ontem (anteontem), quanto a gente estava brincando, não escutamos nada. Só quando a bala acertou o braço do Caio”, contou Y, de 15 anos. Moradores relatam que, apesar dos tiroteios frequentes, esta foi a primeira vez em que houve vítima dentro do prédio.

A mãe da vítima, Gracielle Carvalho Milagres, de 33 anos, havia deixado o edifício algumas horas antes do incidente. “Vi no noticiário os casos de balas perdidas dos últimos dias, mas nunca ia imaginar que isso fosse acontecer com meu filho, dentro de um prédio. A gente tende a pensar que o perigo está na rua, né?”, disse a professora. “Desde que ele tinha 2 anos, trago o Caio para Niterói, mas ainda não sei se ele vai querer voltar. Está muito abalado”, completou.

A vítima foi levada para o Hospital de Clínicas Alameda e, em seguida, transferida para o Hospital Icaraí. Até o fechamento desta edição, não havia previsão para a retirada do projétil. “Os médicos disseram que talvez seja melhor esperar para remover a bala”, contou a mãe.

LEIA: ONG faz ato em Copacabana e homenageia crianças vítimas da violência no Rio

O caso foi registrado como lesão corporal na 78ª DP (Fonseca). A Polícia Civil vai chamar familiares para prestar depoimento e analisará imagens do circuito de segurança do prédio.

Colegas mostram brinquedo em que estavam quando Caio foi baleado em condomínio do FonsecaMaíra Coelho / Agência O Dia

Adultos e crianças foram atingidos

?Em apenas oito dias, foram registrados nove casos de bala perdida na Região Metropolitana do Rio. No sábado, um tiroteio no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte, deixou uma mulher ferida.

Na sexta-feira, Edilton dos Santos, de 20 anos, foi baleado quando assistia a campeonato de skate no Parque Madureira. Na véspera, Lavínia Crissiulo, de 3 anos, fora atingida no peito, no Centro.

No último dia 18, Asafe Costa de Ibrahim, de 9 anos, foi vítima de bala perdida ao sair da piscina do Sesi de Honório Gurgel para beber água — ele morreu dias depois. No dia 16, Larissa de Carvalho, de 4 anos, também não resistiu aos ferimentos depois de ser atingida na cabeça, em Bangu — mesmo bairro das vítimas Carlos Eduardo Rodrigues e Márcia Costa. Já William Robaina foi atingido em Santa Cruz.

Últimas de Rio De Janeiro