Polícia investiga bandos que roubam cães de raça

Cada filhote de shih tzu furtado em loja e levado na bolsa, como se fosse celular ou joia, é vendido por R$ 1,5 mil

Por O Dia

Polícia investiga bandos que roubam cães de raçaDivulgação

Rio - A cena revolta até quem não é louco por animais. Flagrada por câmera de segurança, uma mulher finge afagar dois filhotes de cães da raça shih tzu que estão à venda na porta da loja. Ela disfarça e enfia os dois na bolsa. Um carro já a espera na beira da calçada para agilizar a ação. Esta é uma das mais recentes modalidades de roubo de animais registradas pela polícia no Estado do Rio.

Cães são roubados em lojas, assim como celulares e joias. Estes foram transportados como objetos, sem os cuidados necessários aos filhotes. A raça shih tzu é a preferida de famosos, como as cantoras Ivete Sangalo e Demi Lovato.

As quadrilhas especializadas no roubo de animais domésticos crescem a cada dia pelo alto valor dos animais e facilidade de venda. Cada filhote levado pela mulher na loja que filmou o flagrante, em Volta Redonda, no Sul Fluminense, custa em torno de R$ 1,5 mil no mercado. A ladra é morena, de meia idade, e usa um carro Hyundai ix35.

Cachorro de raça é roubado em Volta Redonda Reprodução Vídeo

“Bastou a distração de quem monitora a câmera para, em pouco mais de um minuto, a ladra agir”, lamentou um dos sócios da loja.

O vídeo (que pode ser visto no ‘Dia Online’, com duração de um minuto e 38 segundos) mostra claramente que o roubo foi planejado. A mulher pega os cães enquanto o comparsa aguarda no carro. Já com um dos animais nos braços, ela disfarça quando um pedestre se aproxima e brinca com o filhote. Basta o desconhecido se afastar para ela, rapidamente, colocar os dois filhotes desajeitadamente na bolsa e ir embora.

Policiais da 93ª DP (Volta Redonda), que investigam o caso, já têm pistas da mulher, mas evitam passar detalhes para não dificultar a ação montada para chegar até os ladrões. A suspeita, entretanto, é que a mulher tenha praticado outros roubos semelhantes também em lojas de Barra Mansa e Resende.

De acordo com a presidente da Comissão de Direito dos Animais da Câmara do Rio, vereadora Vera Lins (PP), crimes assim vêm ocorrendo com frequência também na capital. “A cada dia aumenta o número de relatos de roubos e maus tratos. Foram mais de 140 só no primeiro semestre. Por isso estou propondo a criação de um Código Municipal de Proteção aos Animais ou um núcleo, para tratar exclusivamente desses crimes”, adiantou. Denúncias podem ser feitas pelo telefone 3814-2579.

Vira-latas vira yorkshire

Ações criminosas contra cães são registradas no Rio há anos. Em novembro de 2014, por exemplo, O DIA denunciou uma quadrilha que pintava vira-latas para se parecerem com a raça yorkshire. Os animais eram colocados à venda pela internet. Somente depois de adquirirem os cães, que eram vendidos a R$ 400 em média cada um, é que os compradores descobriam a farsa: na hora do banho ou porque os animais sufocavam com o cheiro da tinta.

O assunto causou comoção. Uma das vítimas foi um morador de Vila Valqueire, que quis agradar à namorada, mas acabou constrangindo. O cão era um simpático vira-lata, pintado com Color Jet, tinta spray indicada para pintura de móveis de aço, madeira e outros materiais.

OAB: pena para crimes contra animais

O presidente da Comissão de Proteção e Defesa dos Animais da OAB do RJ, Reynaldo Velloso, iniciou campanha para que quem pratica crimes contra animais passe a ser julgado em varas criminais, e não mais em Juizados Especiais Criminais (JeCrims).

Conforme a lei 9605/98, os crimes contra animais têm punição de três meses a um ano de prisão. “São punibilidades irrisórias. Em varas criminais haveria aumento de punições, com a inclusão de qualificadoras”, diz.

Últimas de Rio De Janeiro