Traficantes envolvidos em morte de agente no Jacarezinho são identificados

Policial da Core era considerado um dos maiores atiradores de elite da Civil. DCOD divulgou imagens dos suspeitos nesta quinta-feira

Por O Dia

Rio - A Delegacia de Combate às Drogas (DCOD) identificou, nesta quinta-feira, os quatro suspeitos de envolvimento na morte do policial civil da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) Bruno Guimarães Buhler. O inspetor policial, conhecido como Xingu, era considerado um dos maiores atiradores de elite da Polícia Civil, onde estava há sete anos. Ele entrou para a Core em 2014 e foi morto na última sexta-feira.

Os traficantes foram identificados como Jonathan Luis da Silva, o Joinha; Jefferson Gonçalves da Silva, o Cara de Cavalo; Wellington de Sousa Macedo, o Caolha ou Cara de Gato; e Carlos André da Conceição, o Mãozinha ou Bracinho. Quem tiver informações sobre o grupo pode entrar em contato com o Disque-Denúncia (2253-1177) ou com a Central de Atendimento ao Cidadão (2234-8823 / 2234-8835).

Jonathan Luis da Silva, o Joinha; Jefferson Gonçalves da Silva, o Cara de Cavalo; Wellington de Sousa Macedo, o Caolha ou Cara de Gato; e Carlos André da Conceição, o Mãozinha ou BracinhoDivulgação

Mototaxista é morto no Jacarezinho

?O mototaxista André Luis Medeiros, baleado no Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, na última sexta-feira, morreu nesta quarta-feira. O homem estava internado há seis dias no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro do Rio.

Na ocasião, André foi baleado na perna e foi socorrido por moradores. Ele foi atingido por disparos durante o primeiro dia confronto no Jacarezinho, que dura seis dias consecutivos.

No mesmo dia em que André foi baleado, o policial civil da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), Bruno Guimarães, foi morto com um tiro no pescoço e um adolescente foi atingido no tórax. 

Últimas de Rio De Janeiro