Petrópolis terá escola técnica agrícola

Unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) vai funcionar no Hortomercado Municipal

Por LUIZ ALMEIDA

A previsão é que a nova instituição de ensino, localizada em Itaipava, seja inaugurada ainda em 2018
A previsão é que a nova instituição de ensino, localizada em Itaipava, seja inaugurada ainda em 2018 - divulgação

Petrópolis vai ganhar uma escola técnica agrícola. Será uma unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). A nova instituição de ensino irá funcionar no Hortomercado Municipal, em Itaipava, e atenderá, inicialmente, 50 alunos. Serão investidos R$ 400 mil na criação do espaço, que deverá entrar em operação ainda em 2018.

A chegada de uma unidade do Senar à Cidade Imperial tem como objetivo capacitar os produtores rurais e qualificar a mão de obra no campo. Atualmente, cerca de 800 famílias atuam na produção agrícola, nos distritos da Posse, Caititu, Vale das Videiras, Jacó, Brejal, Caxambu, Taquaril, Secretário e Bonfim. Elas movimentam R$ 16 milhões anuais no município.

Outro objetivo da instalação do Senar será evitar a evasão do campo, principalmente dos jovens que vivem nas regiões rurais do município. A escola técnica também deverá contribuir na melhoria da qualidade dos alimentos produzidos e vendidos em Petrópolis.

"Investir na capacitação desses produtores é mais um passo para o desenvolvimento. Ano passado, avançamos com o aumento na compra de produtos para a merenda escolar, todos da agricultura familiar", relembra o secretário de Desenvolvimento Econômico Marcelo Fiorini.

Mantido por entidades patronais ligadas à Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, o Senar oferece gratuitamente diversos cursos, que podem ser presenciais ou à distância. Entre eles, o de Técnico em Agronegócio, com duração de quatro semestres. 

Processamento de alimentos

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico trabalha na criação da Cooperativa de Processamento Alimentar de Petrópolis. Com objetivo de fortalecer a agricultura na cidade, a empresa responderá pelo processamento de alimentos, observando diferentes critérios, como a remoção de toxinas, conservação, aumento de disponibilidade sazonal, transporte e segurança microbiológica.

Segundo a secretaria, em dois anos a agricultura petropolitana conseguirá atender a restaurantes, hotéis, mercados, escolas e hospitais. A cooperativa também irá estimular a formalização dos agricultores. "Dos cerca de 800 produtores, apenas 350 são cadastrados e podem emitir nota fiscal. Destes, só 80 fornecem para o município", contabiliza o subsecretário de Desenvolvimento Econômico Fernando Pessoa.

Comentários