Lava Jato: Lúcio Funaro fecha acordo de delação premiada

Doleiro é apontado como o principal pagador de propina à Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Funaro está preso desde julho de 2016

Por O Dia

Brasília - Integrantes do Ministério Público Federal e advogados de Lúcio Funaro bateram o martelo na noite desta segunda-feira, sobre os termos do acordo de delação premiada do operador financeiro. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo. As condições para que Funaro conte aos investigadores da Lava Jato tudo o que sabe sobre esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro já foram fechadas.

Parceiro de Eduardo Cunha%2C Funaro fechou acordo de Delação Premiada com a Procuradoria-geral da RepúblicaReprodução

A partir de agora, procuradores da República realizam a redação das cláusulas acordadas na noite da segunda-feira para que Funaro possa assinar o acordo de delação. Depois de assinado o acordo, com anexos sobre o que o operador pretende falar e os depoimentos colhidos, o material precisa ser enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) para homologação.

Durante o período de tratativas, Funaro deve permanecer na Polícia Federal - e não na Papuda, onde estava preso - para facilitar a logística dos depoimentos que irá prestar ao Ministério Público.

Parceiro do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o operador já vem prestando depoimentos no âmbito da Operação Sépsis, na qual foi preso em 1º de julho de 2016, e na Operação Cui Bono?. Um dos depoimentos foi utilizado na denúncia oferecida pelos procuradores Anselmo Cordeiro Lopes e Sara Moreira contra o ex-ministro Geddel Vieira Lima por obstrução de justiça.

A expectativa de investigadores é que os relatos de Funaro sejam utilizados pela Procuradoria Geral da República (PGR) em uma possível nova denúncia contra o presidente Michel Temer, já que o operador deve narrar a sua ligação com a cúpula do PMDB. A reunião na qual foram acertados os termos do acordo de delação premiada se estendeu das 18h30 até 0h30, na PGR.

Procurada pela reportagem, a defesa do operador disse que não confirma o acordo com o Ministério Público Federal.


Últimas de Brasil