Os dilemas dos usuários de drogas em ‘Êxtase’

Peça de Walcyr Carrasco ganha remontagem no Teatro Poeirinha, e autor diz que seu texto ainda é atual

Por O Dia

Rio - Passados 20 anos, o texto de ‘Êxtase’, de Walcyr Carrasco, continua atual. A remontagem, em cartaz no Teatro Poeirinha até 1o de outubro, fala do dilema enfrentado por dois amigos, ambos dependentes de drogas. “Sempre houve interesse na remontagem. Inclusive, porque a questão das drogas tornou-se mais forte e urgente com o correr dos anos. A peça não perdeu a atualidade”, diz o autor.

Elenco de 'Êxtase' em cenaDivulgação

O espetáculo pretende trazer à cena a dependência, e como ela pode afetar a vida
e as relações pessoais. Walcyr recebeu o prêmio Shell de Melhor Autor em 2003 pelo texto. “Era muito ousado e por incrível que pareça continua sendo. A ousadia mexe com as pessoas, tem um lado fascinante. E a montagem atual tem a mesma força, é ousada e intensa para os dias de hoje”.

Ele afirma que a montagem estimula a reflexão, mas sem grandes pretensões. “Deixo a questão em aberto para que cada um tire sua conclusão.Em última análise, a peça não fala só das drogas mas do sentido da vida”, analisa.

No elenco, Rafael Queiroz, Gabriel Canella e Marcia do Valle, sob a direção de Claudio Gabriel, dão vida ao drama que faz pensar o que não queremos para nossos filhos, netos e amigos. Walcyr Carrasco revela que a inspiração para escrever o texto veio de situações da vida real.

“Tive e tenho problemas relacionados com drogas na minha família. Mas eu prefiro não entrar na intimidade dessas pessoas. É muito doloroso”, encerra o escritor.


Últimas de Diversão