Pai de Gerson muda versão e fala na permanência do filho no Fluminense

Marcão acredita em acordo positivo na reunião com a diretoria do Tricolor, prevista para junho

Por O Dia

Rio - O destino de Gerson é uma incógnita nas Laranjeiras e ganhou um novo episódio nesta sexta-feira. O meia, que vem recebendo sondagens de diversas equipes do exterior, teve seu futuro no Fluminense incerto depois das declarações de seu pai, que apontou que uma possível saída do clube seria um bom negócio para a parte financeira do Tricolor. Porém, nesta sexta, a versão mudou e Marcão, como é chamado, falou na permanência do filho no time.

"A gente tem conversado muito com o presidente. Peter é um bom homem, íntegro, tentando fazer o possível e o impossível para que aconteça uma situação bacana para o Gerson amadurecer no Fluminense e no futebol brasileiro. Está marcado para junho a gente sentar e bater um papo. Sou um cara parceiro do Fluminense, agradeço muito ao clube por abrir as portas para que a gente pudesse mostrar nosso trabalho. Cheguei sem expectativa do que poderia acontecer nas nossas vidas, sem saber que poderíamos vencer. Vamos fazer de tudo para quer Gerson permaneça o tempo que a diretoria acha que ele deva permanecer", afirmou.

Gerson deve permanecer no Fluminense na próxima temporadaAndré Mourão

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Fluminense

Questionado sobre o suposto desentendimento entre o filho e o ex-técnico da Seleção sub-20, Alexandre Galo, Marcão amenizou o caso e disse que houve uma falha na comunicação entre as partes.

"Nesse momento que a gente percebe que houve uma situação de falha de comunicação. Todo jogador, a maioria deles, vem de família humilde, almejando um lugar no futebol. A primeira vontade desses jogadores é vestir a camisa da seleção. Como pode um jogador, que vem trabalhando, conquistando seu espaço não querer ir para uma seleção brasileira? No dia da convocação, a vontade era tanta…Estava muito ansioso para que estivesse na lista. Tanto que acompanhou na sala de imprensa (do Fluminense) junto com o Marlon, Kenedy e foi uma grande frustração para ele. A falta de comunicação foi tão grande, que quando o Gerson está no trabalho dele não atende aos meus telefonemas. Não tenho nada contra o que o professor passou, mas fiquei muito chateado com o que disse ontem (quinta)", finalizou.