Laudo de perícia não vê regularidade em votos da urna 7

Vasco ainda pode recorrer dependendo da decisão da juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves em anular ou não os votos

Por O Dia

Rio - Na última segunda-feira o laudo pericial da urna 7 constatou que não há comprovação de pagamento dos sócios envolvidos. O laudo é assinado por Luiz Alberto de Azevedo Leite e datado desta segunda afirmou que os documentos apresentados pelo clube não comprovam o pagamento de mensalidades. Ele foi o perito judicial nomeado pela juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves, que julga o caso em primeira instância, para analisar a comprovação de regularidade ou não.

Eurico afirmou que Vasco irá provar legalidade da eleiçãoPaulo Fernandes/Vasco.com.br

Com este laudo, a decisão volta para a juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves, de primeira instância e deve concluir os trabalhos para decidir o futuro dos votos da urna 7 com sua anulação ou não. A depender da sentença dela, o Vasco ainda pode apelar.

O resultado da perícia, como prova técnica judicial, deve influenciar na decisão. Não há prazo definido, mas pela urgência pericial, deve sair até dia 19, data do recesso judiciário, para não interferir no início de ano Cruzmaltino.

Relembre o caso:

A eleição do Vasco foi realizada no dia 7 de novembro, em São Januário. Nela, 691 nomes da lista de sócios foram indicados para votar numa urna separada, a urna 7. Destes, 475 compareceram à votação. Com a polêmica urna 7 contabilizada, Eurico Miranda na chapa "Reconstruindo o Vasco" venceu a eleição. Sem a urna 7, a vitória ficou com Julio Brant via chapa "Sempre Vasco Livre"