Homem diz que perseguiu suspeito de matar adolescente em Goiânia

Apesar de não ter conseguido identificar o criminoso, caminhoneiro é considerado uma testemunha-chave

Por tamara.coimbra

Goiás - Uma testemunha da morte da estudante Ana Lídia de Sousa, de 14 anos, assassinada por um motociclista em um ponto de ônibus em Goiânia, no último dia 2, pode ser a peça chave para desvendar o crime. Um caminhoneiro, que não quis se identificar, disse ao 'Fantástico' que viu o momento em que a vítima foi baleada e chegou a perseguir o suspeito.

"Eu persegui o suspeito por uns 300 metros, falando ao celular com a polícia”, comentou. Apesar de não ter conseguido identificar o homem, o caminhoneiro é considerado, pela polícia, uma testemunha-chave para tentar solucionar a morte da estudante.

Ana Lídia Gomes%2C 14%2C foi morta em ponto de ônibusReprodução

O caso é um dos 17 investigados pela Polícia Civil, que apura a existência de um suposto serial killer. Na última sexta-feira, foi divulgada a prisão de um suspeito de envolvimento em dois homicídios. O delegado do caso não informou em quais casos ele poderia ter agido, mas afirmou que o suspeito é um jovem que já havia cumprindo pena em Goiânia por crimes de assalto e formação de quadrilha. O delegado disse ainda que as características do jovem se assemelham com as descritas sobre o possível responsável pelos assassinatos.

Já na manhã de sábado, a Polícia Militar prendeu um homem de 27 anos por roubo a panificadoras, mas devido as características de sua moto e fisionomia, ele pode estar envolvido nos homicídios. Porém, a Polícia Civil informou que, até o momento, o homem não é suspeito de cometer nenhuma morte, mas estão investigando.

Investigações

A Polícia Civil de Goiás montou uma força-tarefa com 108 policiais para tentar resolver os casos. Segundo informações de Reinaldo Koshiyama de Almeida, delegado de policia e coordenador de planejamento operacional da Policia Civil, as investigações contam com 16 delegados, 23 escrivães, 70 agentes policiais. Além desses crimes, mais duas tentativas de homicídio com características semelhantes também estão sendo investigadas.

Segundo o delegado, a polícia não descarta a possibilidade da atuação de um serial killer. "A existência ou não de um serial killer só poderá ser comprovada quando todos os 17 procedimentos forem finalizados". Apesar das investigações já terem começado, não há uma previsão de quando os inquéritos serão concluídos. "Os homicídios são crimes muito complexos, que envolvem estratégias e coisas que não depende só da polícia, por isso, ainda não podemos estipular quando os casos serão concluídos, mas estamos trabalhando para que isso aconteça o mais rápido possível".

A polícia está divulgando uma conta criada no WhatsApp para que as pessoas possam fazer denúncias e enviar informações sobre os casos de forma anônima. O número é (62) 8533 - 0197. A população também pode ajudar através do número 197, que é o disque denúncia da Polícia Civil de Goiânia.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia