Funcionário e professores de universidades federais inciam greve

UFF, UFPA, UFPB e UFT já tiveram assembleia para paralisar atividades. Na Uerj a paralisação está marcada para esta sexta-feira e na rural (UFRRJ) será realizada uma assembleia

Por O Dia

Rio - Professores e funcionários de diversas universidades federais paralisaram suas atividades a partir desta quinta-feira. A decisão foi tomada durante assembleia em universidades federais de Alagoas, Amapá, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Rio de Janeiro, Sergipe e Tocantins. Os servidores reivindicam reajuste salarial, reestruturação da carreira e aumento de investimentos nas federais.

Entre as que aderiram a greve estão UFF, UFPA, UFPB e UFT. A Uerj marcou uma assembleia nesta sexta-feira e na rural (UFRRJ) uma assembleia será realizada nesta quinta para formalizarem a decisão. UniRio e UFRJ não vão aderir ao movimento.

A UFAC, no Acre, e os professores da UFMS, no Mato Grosso do Sul, iniciam suas paralisações nesta sexta-feira.

No Paraná, a UFPR fará assembleia nesta sexta para os professores decidirem se aderem ou não a paralisação. Em Roraima, os professores da UFRR decidiram seguir com as aulas, mas aprovaram o indicativo de greve.

Já na Bahia, os funcionários terceirizados da UFBA estão paralisados desde o dia 13 de maio.

UFF, UFPA, UFPB e UFT já tiveram assembleia para paralisar atividades. Na Uerj a paralisação está marcada para esta sexta-feira e na rural (UFRRJ) uma assembleia será realizada nesta quinta. UniRio e UFRJ não vão aderir ao movimento

O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) haviam anunciado a data do início da greve, após decisão tomada no dia 16 de maio. Os professores pressionam o governo federal a ampliar o repasse às universidades federais, apesar do corte de R$ 9,42 bilhões no orçamento do MEC.

O Ministério da Educação divulgou em nota que se reuniu com as entidades em busca de diálogo, mas desde o início elas informaram que já tinham data marcada para a greve.

Últimas de _legado_Educação