Ministério da Saúde aponta Rio como uma cidade 'hipertensa'

Segundo dados divulgados na terça-feira, quase um terço dos cariocas sofre de pressão alta

Por O Dia

O macarrão instantâneo está entre os alimentos que contribuem para a hipertensão da populaçãoReprodução

Rio - Entre os cariocas, quase um terço tem hipertensão. A prevalência de pessoas com o problema na capital do Estado do Rio chega a 28%, segunda maior taxa do país, atrás apenas de Porto Alegre (29%). Um dos principais causadores da doença é o alto consumo de sódio. Os dados foram divulgados, nesta terça-feira, pelo Ministério da Saúde. A taxa nacional é de 25%.

De acordo com Deborah Carvalho Malta, diretora de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde do ministério, uma das justificativas para a cidade do Rio estar no topo é o alto índice de pessoas idosas. “A hipertensão é uma doença crônica, cuja prevalência aumenta de acordo com a idade”, explica.

Cláudia Ramos, coordenadora de Saúde da Família da Secretaria Municipal de Saúde, acrescenta que, além do fácil acesso ao diagnóstico, os maus hábitos típicos dos moradores de grandes cidades interferem no surgimento da doença. Ela cita que sedentarismo e grande consumo de alimentos processados favorecem o mal.

Em relação ao combate à hipertensão, diz Cláudia, o principal desafio é a adesão ao tratamento. “O mais difícil é o paciente mudar os hábitos, começar a se exercitar e parar de fumar”, cita. “Muitos interrompem por conta própria o medicamento, porque não têm mais sintomas da hipertensão”, disse, acrescentando que o remédio é grátis.

Segundo a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), entre as mulheres brasileiras a prevalência é de 26,8%, enquanto a média total é de 25%. Isso ocorre porque elas procuram mais as unidades de saúde e são mais diagnosticadas.

Veja quais são os maiores vilões para a pressão arterial

SOPA DE PACOTE

Levantamento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mostra que a sopa em pó é o alimento que mais contém sódio. São 3.861 mg a cada 100 gramas de produto.

MACARRÃO INSTANTÂNEO

Ele é o segundo produto com maior quantidade de sódio, de acordo com a Anvisa: são 1.881 mg a cada 100 g de produto. A agência chegou a encontrar marcas com 2.385 mg / 100g.

MASSAS EM GERAL

Elas têm 1.752 mg de sódio a cada 100g. E poderia ser pior: de 2011 a 2014, 7.652 toneladas da substância foram retiradas pela indústria brasileira de alimentos de seus produtos, graças a compromisso firmado pelas empresas com o Ministério da Saúde.

BISCOITO DE POLVILHO

Na 2ª etapa do Plano Nacional de Redução de Sódio em Alimentos Processados, com dados divulgados ontem, foram retirados 5.793 toneladas de sódio em produtos, como biscoito. No de polvilho, são 1.517 mg de sódio/100g.

SALGADINHOS

A meta do ministério é que até 2020 as indústrias retirem 28.562 toneladas de sal do mercado brasileiro. Biscoitos salgados têm 1.051mg de sódio/100g.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência