Cabral: 'Vandalismo não será tolerado no Estado do Rio'

Após manifestações que pediram até mesmo a sua renúncia, governador divulga nota ressaltando atos de violência nos protestos

Por O Dia

Rio - O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, se pronunciou através de nota nesta quinta-feira após a manifestação em frente ao Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na Zona Sul da cidade. O grupo chegou a pedir a renúncia do governador e houve tumulto entre manifestantes e policiais. A confusão se espalhou por várias ruas da região como a Senador Vergueiro e a Paissandu.

"O vandalismo não será tolerado no Estado do Rio de Janeiro. Grupos que vão para as ruas com o objetivo claro de gerar o pânico e destruir o patrimônio público e privado tentam se aproveitar das recentes manifestações legítimas de milhares de jovens desejosos de participar e aperfeiçoar a democracia conquistada com muita luta pelo povo brasileiro", declarou, reiterando o discurso que mantém desde o começo das manifestações no país.

PMs atiram bombas em manifestantes

Policiais militares que cercavam o Palácio Guanabara durante a manifestação na sede do executivo estadual atiraram bombas de gás lacrimogênio e balas de borracha em direção aos mais de 400 manifestantes. A confusão começou após fogos de artifício serem apontados para dentro do Palácio. Ainda não há informações sobre feridos ou danos estruturais.

Após o tumulto, os PMs atiraram bombas em direções às ruas transversais à Pinheiro Machado, para que os ativistas não voltassem ao local. Os policiais ainda jogaram gás indiscriminadamente no sentido oposto da via, para dispersar a manifestação. Muitos correram para a Praia de Botafogo, onde os PMs ainda lançaram mais bombas no trecho da Rua Farani. A Prefeitura liberou a Rua Pinheiro Machado no sentido Zona Norte por volta das 21h10.

As luzes na Rua Paissandu foram apagadas e, com a confusão, as palmeiras da via foram queimadas. Na Rua Marques de Piñedo, houve dois focos de incêndio, que já foram apagados pelo Corpo de Bombeiros. No Aterro do Flamengo foram registradas confusões entre policiais do Batalhão de Choque e membros do Black Bloc.

Últimas de Rio De Janeiro