Ato relembra morte do menino Eduardo e outras crianças vítimas da violência

Para o presidente da ONG Rio de Paz, Antônio Carlos Costa, Rio não terá paz 'se a cidade continuar dividida ao meio'

Por O Dia

Rio - Pelo menos 50 pessoas realizam, na manhã deste domingo, uma passeata na Praia de Copacabana, na altura da Rua Princesa Isabel. O ato relembra a morte do menino Eduardo Ferreira, de 10 anos, atingido por uma bala perdida na localidade conhecida como Areal, no Complexo do Alemão, e outras crianças vítimas da violência na cidade.

'Não haverá proteção a ninguém', afirma chefe da DH

Segundo o presidente da ONG, Antônio Carlos Costa, a intenção é mostrar que moradores da Zona Sul também estão solidários com a dor imposta pela violência em outras regiões do município, principalmente nas zonas Norte e Oeste.


Cerca de 30 manifestantes carregaram um caixão simbólico até as areias da praiaSeverino Silva / Agência O Dia


"Estamos tentando dizer à sociedade que não alcançaremos a paz se a cidade continuar dividida ao meio", afirmou Antônio Carlos. No início da manifestação, integrantes da ONG Rio de Paz fixaram uma cruz sobre um monte de areia, com um cartaz que contém os dizeres: "A violência do estado está matando nossas crianças", representando o que seria o túmulo de Eduardo.

Moradores fazem ato pela paz no Complexo do Alemão

Manifestantes também carregam cartazes com fotos de 18 crianças, todas vítimas da violência urbana, segundo levantamento da ONG e um grupo com cerca de 30 pessoas carregam um caixão branco, simbolizando as vítimas de bala perdida.

Duas viaturas do 19º BPM (Copacabana) acompanham o ato, que segue pacífico. Os manifestantes vão seguir pela orla da Praia de Copacabana até a altura do Hotel Othon Palace, próximo à Rua Xavier da Silveira, onde acontecerá um enterro simbólico do caixão nas areias da praia.

Cartaz com os dizeres 'Je Suis Eduardo'%2C fazendo alusão à famosa frase 'Je Suis Charlie'Severino Silva / Agência O Dia


Últimas de Rio De Janeiro