Após denúncia do MPF, Justiça condena três por trabalho escravo em São Fidélis

Pai, filho e capataz mantinham três trabalhadores em condições subumanas por 12 anos

Por O Dia

Rio - O juízo da 1ª Vara Federal de Campos dos Goytacazes condenou, após denúncias do Ministério Público Federal (MPF), os donos do Sítio Angelim, em São Fidélis, no Norte Fluminense, à prisão por manter três pessoas sob condições de trabalho análogas à escravidão, por mais de 12 anos.

Paulo Azevedo foi condenado a 10 anos e seis meses, enquanto seu filho, Marcelo Conceição, deverá cumprir pena de sete anos e seis meses. Já o capataz Roberto Melo foi condenado a sete anos de reclusão. Os réus também foram condenados ainda ao pagamento de multas. Paulo terá que pagar 16 salários mínimos, Marcelo, nove salários mínimos e Roberto, oito.

De acordo com a denúncia do MPF em Campos, o pai foi o responsável pela contratação das vítimas, com a promessa de salário mensal. O filho tinha a função de auxiliar o pai na administração do sítio e atuava diretamente na exploração do trabalho escravo.

O capataz do sítio seria o responsável por manter os trabalhadores sob controle, com ameaças e agressões físicas, caso tentassem fugir. Durante os 12 anos em que o crime foi praticado, as vítimas recebiam alimentação inadequada, dormiam em um quarto trancado e eram obrigadas a viver em condições subumanas.

Leia também:

Trabalhadores rurais também sofriam tortura física, diz polícia

Polícia resgata grupo escravizado durante dez anos

“A condenação criminal obtida consiste em um passo importante no enfrentamento aos crimes que atentam contra a dignidade e os direitos humanos, notadamente na Região Norte Fluminense, área mais propícia ao desenvolvimento de trabalhos ligados à lavoura canavieira e que apresenta os maiores índices de trabalho escravo no estado", disse o procurador da República Bruno de Almeida Ferraz, responsável pela ação.


Últimas de _legado_O Dia no Estado