Ministra 'desiste' de pedir salário de R$ 61,4 mil

Luislinda Valois queria acumular vencimentos de desembargadora e ministra

Por O Dia

Luislinda em assinatura de cartilha há um ano: repercussão ruim
Luislinda em assinatura de cartilha há um ano: repercussão ruim - Wilson Dias/Agência Brasil

Após tentar ganhar quase o dobro do teto constitucional, que é R$ 33,7 mil, a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois (PSDB-BA), desistiu do pedido que fez ao governo para ganhar o salário integral do cargo, o que elevaria seus vencimentos mensais para R$ 61,4 mil, já que ela também recebe como desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça da Bahia.

A ministra comunicou a desistência por meio de nota depois da repercussão negativa após entrevista dada à 'Coluna do Estadão' que revelou o caso , na qual ela justificou o pedido de acúmulo de vencimentos porque o cargo que ocupa impõe gastos extras como se "vestir com dignidade" e "usar maquiagem".

Apesar de comparar seu contracheque de R$ 33,7 mil mensais à situação de trabalho escravo, a ministra dos Direitos Humanos tem uma série de direitos devido ao cargo que ocupa, como carro com motorista, jatinho da Força Aérea Brasileira (FAB), cartão corporativo e imóvel funcional. Além desses benefícios, Luislinda também ganha diárias do governo federal. Só neste ano ela recebeu R$ 45,098. No ano passado, a ministra recebeu R$ 26.135 de julho, quando assumiu, a dezembro em diárias. Em junho deste ano, além do salário de desembargadora aposentada no Tribunal de Justiça da Bahia, Luislinda recebeu ainda R$ 15 mil a mais relacionados a uma vantagem paga a servidores daquele estado.

Luislinda disse que não se arrepende de ter comparado seu caso ao trabalho escravo na petição encaminhada ao governo para receber o salário integral de ministro. "Todo mundo sabe que quem trabalha sem receber é escravo", diz.

"Considerando o documento sobre a situação remuneratória da ministra Luislinda Valois, o ministério informa que já foi formulado um requerimento de desistência e arquivamento da solicitação", diz a nota divulgada pelo Ministério dos Direitos Humanos.

Comentários

Últimas de Mundo & Ciência