Aplicativos na escola: Tecnologia a serviço da educação

Colégio está preocupado em seguir tendências modernas, porque o mundo está cada vez mais virtual

Por O Dia

Rio - No novo modelo de educação, o quadro negro cabe dentro do celular. As instituições de ensino estão usando a tecnologia a serviço da educação, criando portais com exercícios e aulas virtuais que podem ser feitos dentro da escola ou até mesmo em casa. Para esclarecer uma dúvida de fração, por exemplo, o estudante passou a contar com a ajuda de um aplicativo para celular.

O Colégio Bahiense é conhecida pela educação tradicional. Mas já se adaptou a essa nova realidade, buscando ferramentas para capacitar os alunos. Há mais de dois anos, o Sistema Bahiense estabeleceu uma parceria com o Sistema Ari de Sá (SAS) para a criação de um portal com aulas virtuais e exercícios, facilitando a aprendizagem do aluno. O portal pode ser acessado por aplicativos em celulares e tablets.

Cada capítulo da apostila da instituição possui um QR Code, que direciona o aluno direto para uma aula virtual. O coordenador Marcio Braga Costa diz que o papel do professor exercendo papel central na construção do conhecimento continua. Só que agora conta com a contribuição da tecnologia aplicada a novos métodos de ensino.

“O colégio está preocupado em seguir tendências modernas para atrair a atenção do aluno, porque o mundo está cada vez mais virtual”, diz.

Mas ainda há novidades tecnológicas a serviço da educação. Para 2017, a escola vai lançar exercícios gamificados para o 6º ano. É uma nova ferramenta para combater a dispersão dos alunos.

As novidades agradam, principalmente, os pais. É o caso da fonoaudióloga Andressa Castro Martins, mãe de duas alunas. “Acredito nessa ideia da internet auxiliar o aprendizado, como uma fonte de informação e na formação que a escola tem de acompanhar a criança junto da família e dos educadores”, avalia.

A Escola Oficina do Saber também se apropria das novas tecnologias para ensinar, oferecendo uma forma de aprendizado chamada de ‘sociointeracionismo’. A educação é baseada em ferramentas de aprendizagem lúdicas para facilitar o ensino, que é pensado na interação como ferramenta. As aulas são ministradas com recurso de um quadro interativo entre estudantes e professores por aulas em vídeo.

Além disso, a instituição tem portal com acesso a pesquisas e matérias. Jogos e desafios também são usados para ensinar. A diretora Edite Filipe explica que esses recursos são importantes para o aprendizado. “O dever de casa do portal é diferenciado e busca ampliar o conhecimento. O aluno se torna mais crítico e não apenas reproduz o conteúdo”, explica.

Na Matemática, há um canal especial de estudo onde o professor consegue avaliar quais são as dificuldades dos alunos levando em consideração os erros e acertos nos exercícios. A partir daí, o educador prepara uma aula para ajudar no problema específico de cada estudante, com atendimento personalizado, dando mais um exemplo de que a educação do futuro tem rede wi-fi.

Pela estagiária Marina Cardoso

Últimas de Economia