Kiev amanhece relativamente tranquila após dias de violentos distúrbios

Oposição anunciou na quarta-feira que as negociações com o presidente, Viktor Yanukovich, não tiveram resultados e deram um prazo de 24 horas para renunciar

Por tamara.coimbra

Ucrânia - O ambiente na rua Grushevski de Kiev, palco de violentos enfrentamentos desde domingo entre a polícia e os manifestantes pró-europeus, nesta quinta-feira está relativamente tranquilo após uma noite de mais distúrbios. Centenas de participantes dos protestos permanecem nas imediações do lendário estádio Valeri Lobanovski do Dínamo de Kiev sem recorrer à força, como fizeram nos dias anteriores para romper com os cordões policiais.

No entanto, alguns ativistas lançam pedras contra os agentes antidistúrbios enquanto seguem alimentando com pneus e madeira a fogueira montada na quarta-feira à noite para frear um possível avanço das forças de segurança rumo à Praça da Independência, o bastião dos protestos opositoras. Precisamente por isso, o centro de Kiev está envolto em fumaça no meio de ônibus carbonizados e carros destroçados por pedras e coquetéis molotov, as principais armas dos manifestantes.

Manifestante utiliza um estilingue grande contra a polícia em protesto na UcrâniaReuters


Apesar desse ambiente aparentemente calmo em comparação com os últimos quatro dias, muitos esperam novos enfrentamentos dado que a oposição anunciou na quarta-feira que as negociações com o presidente, Viktor Yanukovich, não tiveram resultados e deram um prazo de 24 horas para renunciar. Um dos dirigentes opositores, o boxeador Vitali Klitschko, ameaçou avançar de novo contra os cordões policiais.

Yanukovich, por sua vez, pediu que os opositores se reúnam de novo com ele quando o primeiro-ministro, Nikolai Azárov, cuja renúncia é pedida insistentemente pela oposição, retorne do Fórum de Davos, na Suíça. A oposição, citando fontes de seus serviços médicos, afirma que até agora houve cinco mortos nos protestos, enquanto o Ministério do Interior confirmou só a morte de dois manifestantes e informou da detenção de 70 pessoas durante os distúrbios que explodiram no domingo.

Estes são a continuação de dois meses de protestos pela decisão do Governo ucraniano de suspender a assinatura de um Acordo de Associação com a União Europeia.

Manifestantes e polícia estabelecem trégua

Os manifestantes e a tropa de choque da polícia, que protagonizaram violentos enfrentamentos por cinco dias consecutivos no centro de Kiev, chegaram a um acordo para uma trégua nesta quinta-feira, enquanto se espera os resultados das negociações entre os líderes da oposição e o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich.

O fim dos confrontos, que segundo a oposição deixaram seis mortos e centenas de feridos, foi uma proposta do líder do partido opositor UDAR, Vitali Klitschko, e permanecerá em vigor até às 20h locais (16h de Brasília).

"Às 20h regressarei para informar sobre as negociações", afirmou o dirigente aos manifestantes reunidos em torno das barricadas instaladas em frente ao cordão policial, segundo a imprensa local.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia