Grécia e credores chegam a acordo após maratona de negociações

Segundo autoridades, ainda será necessário fazer telefonemas para Angela Merkel e para o presidente francês, Hollande

Por clarissa.sardenberg

Atenas - A Grécia chegou a um acordo com os credores europeus para conseguir um terceiro pacote de ajuda financeira após diversos dias de negociação, confirmou nesta terça-feira o governo de Atenas. A previsão é que o país receba até 86 bilhões de euros em três anos. Atenas tem pressa em fechar o novo pacote para conseguir receber parte do valor até o dia 20 de agosto.

Na data, vence uma parcela de 3,4 bilhões de euros devida ao Banco Central Europeu (BCE) e há ainda os pagamentos para o Fundo Monetário Internacional. O governo também quer recapitalizar seus bancos, fortemente afetados pela crise e com funcionamento parcial há semanas.

Segundo o porta-voz do Ministério das Finanças grego, "as negociações já terminaram, mas alguns detalhes ainda faltam". Já o presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker, destacou que foi fechado um pacto "técnico" e que agora é preciso aprovar o "político".

Ministros gregos da Economia%2C George Srathakis (esq.)%2C e das Finanças (dir.)%2C Euclid Tsakalotos%2C após reunião com credoresReuters

Um porta-voz da entidade informou ainda, sem precisar detalhes, que será necessário fazer telefonemas para a chanceler alemã, Angela Merkel, e para o presidente francês, François Hollande, sobre as negociações.

Se tudo correr conforme o esperado, ainda nesta terça-feira sairá um documento assinado pelas partes para ser encaminhado à votação da Comissão e dos líderes europeus até o final desta semana.

Entre as medidas negociadas e que devem constar nas 27 páginas do acordo finalizado hoje, há a diminuição do superávit primário grego para 2015 - de +1% do Produto Interno Bruto (PIB) para -0,5% - conforme queriam os negociadores gregos. Já para os próximos anos, será preciso ter um superávit de 0,5% (2016), de 1,75% (2017) e só então a meta de 3,5% (2018).

Estão planejadas modificações na tributação sobre a tonelagem de carga para empresas de navegação, o aumento do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), a redução de preços de medicamentos genéricos e a polêmica revisão do sistema de previdência nacional.

Há ainda destaque para um reforço nas punições para crimes financeiros, a gradual abolição das aposentadorias antecipadas, as reformas de mercado em produtos conforme sugestão da Organização para o Desenvolvimento Econômico e Social (OCDE), a desregulamentação do setor de energia e a continuidade do programa de privatizações - já iniciado.

A partir do final de 2016, também começará o programa de fim de incentivos fiscais para as ilhas, um dos pedidos mais solicitados pelos credores europeus. As reuniões dos últimos dias servem para detalhar o acordo assinado entre ambos os lados no dia 16 de julho e que antecipou um resgate de 7 bilhões de euros para o país.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia