Estado Islâmico lança música convocando chineses para jihad

Cantando em mandarim, grupo diz sonhar com a morte no 'campo de batalha' e tenta conquistar minorias na China

Por O Dia

Rio - A organização Estado Islâmico gravou uma música em mandarim para convocar os chineses muçulmanos à sua "guerra santa" armada. A canção de 4 minutos foi lançada pelo Al-Hayat, centro de mídia do grupo, e divulgada no Twitter e em aplicativos neste domingo, segundo o grupo de segurança SITE, que monitora as atividades online de terroristas.

Muçulmanos chineses em oração no primeiro dia do Ramadã%2C na mesquita Niuje%2C em Beijing%2C na China Reuters

Como outras mensagens do grupo, a canção exalta a morte pela jihad. "Nossos vergonhosos inimigos temem diante de nós", canta uma voz masculina. "Nosso sonho é morrer lutando nesse campo de batalha", diz o refrão.

Saiba mais: Refém chinês é executado pelo EI 

O "hit terrorista" foi divulgado duas semanas depois de o EI executar o refém chinês Fan Jinghui, de 50 anos, e alegar que ele foi "abandonado" por seu país. Na ocasião, o governo da China afirmou que os autores da execução "vão pagar pela execução".

Islã na China 

O Estado Islâmico vem voltando sua atenção para a China por conta de sua enorme população, da qual cerca de 23,3 milhões são muçulmanos — o que, absolutamente, não os liga a nenhum tipo de grupo terrorista. OS dados são do "Pew Research Center", centro de pesquisa sobre religião. E o Islã é a religião que mais cresce entre os jovens chineses — 22,4% da população com menos de 30 anos, segundo a Universidade Renmin, de Beijing. 

Para atrair a população, o grupo usa de uma estratégia que se aproveita de minorias étnicas e grupos separatistas dentro do país. Na Internet há imagens de crianças da minoria Uighur, também existente na Turquia, usando uniformes para viajar e se juntar ao EI.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência