Denise Tinoco: Torcida para os games transformarem a escola

Como professores, precisamos escolher boas estratégias e lançar mão de metodologias em detrimento de velhos hábitos

Por O Dia

Rio - Recente disputa entre campeões reuniu milhares de pessoas num estádio de futebol e cinemas de São Paulo. Times, torcidas eufóricas e locutores formavam o público. A atividade exige dedicação exclusiva, horas de treinos e disposição física e mental. Brincadeira que se tornou forma de vida. As vantagens da profissionalização e boa remuneração para os jogadores de games atraem os que buscam ascensão.

Mas foi a grande concentração de olhares atentos e os rostos felizes dos participantes que me chamaram a atenção. Fiz rápida reflexão sobre as metodologias nas salas de aula e o abismo cada vez maior entre a vida escolar e o mundo. Tablets e computadores prometem ajudar no cotidiano trazendo novas formas de aprendizagem. No entanto, os aparelhos, por si só, não trarão a revolução.

Como professores, precisamos escolher boas estratégias e lançar mão de metodologias em detrimento de velhos hábitos. Nas escolas públicas, as inovações carecem de qualidade. Ora pela falta dos aparelhos, ora pela falta de estrutura. Mesmo assim, como meninos empolgados pela novidade dos games, precisamos interagir com as inovações e renovar os vínculos do aluno com a escola.

O auxílio dos tablets e computadores, no cotidiano, possibilita aos professores e alunos novas experiências com a informação e o conhecimento. Podem valorizar a escrita mais criativa, além de ampliar o debate e o acesso à pesquisa.

Os games e suas possibilidades de interação devem invadir a escola. Regras, atalhos, personagens e mundos virtuais podem levar nossos alunos a conhecer, estudar e transformar o mundo real. Ver salas de aula repletas de gente interessada, assim como vejo as LAN houses espalhadas pelas cidades ou as conversas por aplicativos.

Quero os meninos da escola pública estudando com bons livros, em espaços dignos, tendo acesso à tecnologia e manuseando-a com responsabilidade. Se isso significar criar gincanas, campeonatos de games educativos, salas virtuais, grupos de conversa com famílias nas redes sociais e exercícios on-line, aceito! Que venham os campeões de games e os campeões nas diversas profissões que a escola renovada nos permitir formar.

Denise Tinoco é professora e pedagoga

Últimas de _legado_Opinião