Civil quer ouvir amante de marido de grávida morta em São Gonçalo

Homem admitiu que tinha relacionamento extraconjugal

Por O Dia

Rio - A Polícia Civil quer ouvir a amante de Rodrigo Folly Cuzzuol, marido de Suelen de Souza Teles, 26 anos, morta por estrangulamento em São Gonçalo, na Região Metropolitana. Rodrigo admitiu que tinha caso extraconjungal em depoimento na Delegacia de Homicídios (DH), que investiga o caso. Os agentes não descartam nenhuma linha de investigação. Parentes da vítima e outras testemunhas foram ouvidas para que os agentes tentassem descobrir a motivação do crime. O sigilo telefônico do casal deve ser quebrado para facilitar as investigações.

A vítima foi enterrada às 10h desta terça-feira, no Cemitério Parque da Paz, em São Gonçalo. Parentes e amigos compareceram ao cortejo. Muito abalado, Cuzzuol não quis falar com a imprensa.

Suelen de Souza estava com seis meses e esperava um meninoSandro Nascimento / O São Gonçalo

Sonhos interrompidos

Grávida de seis meses, Suelen preparava o enxoval e estava ansiosa para a chegada do primeiro filho. Mas os sonhos da auxiliar administrativa acabaram de forma brutal, ontem de manhã, quando ela foi morta por estrangulamento — com fio de computador — e facadas. O crime aconteceu na casa dela, no bairro Trindade, em São Gonçalo. Médicos tentaram salvar o bebê, mas não conseguiram.

Segundo vizinhos, dois criminosos pularam o muro da vila onde fica a casa da família, à Avenida São Paulo, logo após o marido da vítima, Rodrigo Folly Cuzzuol, sair para trabalhar, por volta das 6h30. Segundo o delegado Wellington Vieira, o viúvo mostrou estar inconsolável e muito abatido. “Estamos investigado ele também. Queremos saber se havia briga entre o casal. Vamos ouvir parentes e vizinhos para saber se eram comuns desentendimentos. A primeira linha de investigação é latrocínio, e a segunda, de crime passional”, disse Vieira, que vai ouvir Rodrigo novamente hoje.

À polícia, o marido não soube dizer o que foi levado do imóvel. De acordo com familiares, o casal guardava em casa dinheiro para viajar para o Sul do Brasil ainda este ano. Testemunhas contaram que bandidos deixaram o local carregando duas sacolas de lixo cheias.

O filho que Suelen carregava no ventre ainda não tinha nome escolhido pelos pais. Uma ambulância do Samu chegou a ir até o local para tentar salvar o neném, mas não foi possível. Segundo a família, o chá de bebê aconteceria em junho. 

Últimas de Rio De Janeiro