Filha do fundador do Porcão ganha liberdade provisória

Ela foi presa por suspeita de roubar par de brincos em uma loja na Barra, além de ser acusada de injúria e preconceito

Por O Dia

Rio - O juiz Alberto Salomão Júnior, titular da 33ª Vara Criminal do Rio, concedeu nesta terça-feira o pedido de liberdade provisória a Amanda Mocellin, filha de um dos fundadores da churrascaria Porcão. Ela foi presa na última quinta-feira, por suspeita de furto de um par de brincos em uma loja na Barra da Tijuca, Zona Oeste carioca. Amanda também foi acusada de injúria por preconceito, pois teria chamado uma das funcionárias da loja de “negrinha”.

Amanda, no entanto, terá que cumprir algumas exigências, entre elas, comparecer em juízo mensalmente para informar e justificar suas atividades, manter o endereço atualizado, não retornar ao local em que foi praticada a infração, não manter contato com as vítimas ou testemunhas de acusação, não se ausentar, sem autorização do juízo, da cidade por prazo superior a oito dias, além de recolher-se em casa após as 22h.

Segundo o juiz, a defesa trouxe ao processo novos documentos, inclusive, a indicação médica para que Amanda seja internada para tratamento especializado em clínica psiquiátrica para tratamento de abuso e dependência de álcool.

Em sua decisão, ele considerou que não mais persistem os motivos que justificaram a prisão dela. “Portanto, a prisão preventiva, neste momento, se mostra inadequada e desproporcional”, escreveu o magistrado. O alvará de soltura já foi expedido.

Últimas de Rio De Janeiro