Motorista de caminhão roubado na Zona Norte foi abordado por 50 bandidos

Criminosos, que estavam armados com fuzis e pistolas, e divididos em vários carros e motos, pararam carreta na Av. Brasil

Por O Dia

RIo - Uma tarde de terror, tiros, mortos e feridos foi vivenciada por dezenas de pessoas que passavam nesta segunda-feira pela Estrada de Botafogo, uma das mais movimentadas de Costa Barros, na Zona Norte. Em mais um capítulo da guerra entre traficantes rivais da região, um confronto entre a quadrilha do Complexo do Chapadão com bandidos dos morros da Pedreira e da Lagartixa — que roubaram um caminhão minutos antes —, deixou pelo menos três mortos e três baleados. A UPA do bairro chegou a fechar por conta do tiroteio.

Segundo a polícia, os criminosos interceptaram a carga de refrigerantes na Avenida Brasil, na altura da Fazenda Botafogo, por volta das 13h. Eles obrigaram o motorista a seguir um comboio de pelo menos 50 bandidos fortemente armados para a comunidade da Quitanda, que faz parte do domínio da facção Amigos dos Amigos (ADA), liderada pelo criminoso mais procurado do Rio: Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy.

Caminhão de bebidas sofreu sequestro-relâmpago de bandidos de facção rival a do Complexo do Chapadão. Troca de tiros na região matou e feriu inocentes Reprodução Facebook

Segundo depoimentos na Delegacia de Homicídios (DH) da Capital, o rastreador da carreta bloqueou o veículo após a mudança de trajeto, que ficou parado na passagem de nível da linha férrea — onde as favelas se cruzam. Com isso, bandidos do Chapadão, do Comando Vermelho, abriram fogo contra o grupo de traficantes.

No meio do tiroteio, pedestres e motoristas entraram em pânico. Um caminhão da Comlurb também ficou sob fogo cruzado. Muitos tentaram sair do local pela contramão. Wellington Pimentel de Azeredo, que dirigia uma betoneira, morreu após ser atingido na cabeça e barriga. Parentes estiveram no local e disseram que ele tinha medo de passar por ali. Os outros mortos foram Fabrício Almeida da Silva e Adriano Lima dos Santos.

Na UPA, foram atendidos ainda Cristiano Figueiroa Pinheiro, Marcos Alex Olímpio dos Reis e Haroldo do Nascimento. Eles foram transferidos para os hospitais Salgado Filho, no Méier, Albert Schweitzer, em Realengo, e Miguel Couto, na Gávea.

Motorista abordado por 50 bandidos

X., que dirigia a carreta da Jolivan Transportadora carregada de refrigerantes, viveu momentos de pânico. Na cabine do caminhão, teve que ficar abaixado por pelo menos 10 minutos, durante a intensa troca de tiros entre bandidos rivais, para não ser atingido.

Segundo ele, mais de 50 bandidos armados com fuzis e pistolas, e divididos em vários carros e motos, participaram da abordagem.

“A ordem que eles (bandidos) me deram foi para segui- los. Quando chegou próximo à passagem de nível, o caminhão travou, pois a rota foi alterada. Foi quando os tiros começaram”, contou.

Ainda segundo o motorista, bandidos que estavam no Chapadão perceberam a movimentação de rivais na pista e começaram a atirar. De acordo com a polícia, um dos mortos, de 17 anos, estava em uma moto, enquanto o outro estava em um carro de passeio.

Bandidos armados na porta da UPA

Depois que as vítimas foram levadas para a UPA de Costa Barros, criminosos armados com fuzis e em motocicletas foram para local impor toque de recolher. Eles impediam qualquer pessoa de se aproximar da unidade de saúde, que interrompeu o atendimento a outros pacientes com a chegada dos seis feridos. Os bandidos ficaram circulando pelo local, onde motoristas evitaram passar à noite. A Delegacia de Homicídios assumiu as investigações do caso.

A quadrilha de Playboy é uma das principais responsáveis pelos roubos de carga na Zona Norte, Avenida Brasil e Baixada Fluminense. Eles rendem motoristas e levam os produtos para revender na favela ou para receptadores. Semana passada, motoristas fizeram um protesto na Rodovia Washington Luiz contra os ataques de bandidos às carretas.

Últimas de Rio De Janeiro