Idosa eletrocutada em São Gonçalo segue internada

Maria Nazaré Alcântara de Oliveira, de 60 anos, está lúcida e vem sendo acompanhada por psicólogos

Por O Dia

Rio - Única sobrevivente da família que morreu eletrocutada em São Gonçalo, Maria Nazaré Alcântara de Oliveira, de 60 anos, segue internada. De acordo com a direção da Unidade Intensiva de Queimados do Complexo Hospitalar de Niterói (CHN), ela está lúcida, e seu estado de saúde é estável. A paciente respira espontaneamente e vem sendo acompanhada por psicólogos, mas ainda não tem previsão de alta.

A idosa apresenta lesões de segundo e terceiro graus nos membros superiores, inferiores e glúteo. Na segunda-feira, ela passou por um procedimento para conter sangramentos e retirada de tecido morto. Maria Nazaré foi atingida por uma descarga elétrica após tentar salvar o marido, Adão Orlando Silva Moraes, de 87 anos, o filho, Raphael Sergio Alcântara Oliveira, de 35, e os netos Lucas Alcântara de Oliveira, 13, e Gabriel Alcântara de Oliveira, de 9 meses.

Raphael Sergio e seus filhos de 13 anos e 9 meses morreram eletrocutados em São Gonçalo. Adão Orlando também foi outra vítima fatal do acidenteReprodução Facebook

No momento do acidente, Raphael buscava as crianças que tinham passado o dia na casa dos avós, enquanto sua esposa estava trabalhando. O pai acabara de colocar o bebê Gabriel na cadeirinha do carro e ficou do lado de fora esperando o outro filho chegar. De repente, sem qualquer sinal anterior, um fio de alta-tensão caiu sobre o automóvel. Apavorado, o irmão adolescente abriu a porta para tentar retirar o bebê. Em vão. Lucas recebeu toda a descarga a elétrica e ainda conduziu o choque para o pequeno Gabriel.

LEIA MAIS

Quatro pessoas da mesma família morrem eletrocutadas

Moradora de local onde família morreu eletrocutada diz que fios tinham remendos

Depois de tragédia em família de São Gonçalo, fios espalham medo nas ruas

Em pânico, Raphael Alcântara e Adão Orlando tentaram salvar as crianças. Maria Nazaré, aos berros, jogada no chão, implorava por socorro, gritando pelo filho e pelos netos. As quatro vítimas fatais foram sepultadas na tarde de segunda-feira.

A Ampla, concessionária responsável pelo fornecimento de energia na região, é acusada por familiares de não prestar apoio as vítimas. A empresa diz que investiga se o desastre ocorreu por causa de um objeto lançado na rede de alta tensão, em outra rua do bairro. Ele teria rompido o fio.

Clique sobre a imagem para a completa visualizaçãoArte O DIA

Especialistas suspeitam de falha na estrutura da fiação. A vizinha Luciene Matos relatou que o poste, de onde despencou o fio, é recém-instalado e que o eletricista da Ampla teria classificado o procedimento como “complicado”.

"Na ocasião, pedi para religarem a luz, já que precisava para trabalhar e não estragar os meus produtos. Mas o operador falou que o processo estava complicado e que não tinha previsão para voltar o fornecimento de energia. Já era a quarta vez que a Ampla realizava uma ajuste ali no local das mortes", relatou Luciene.

Últimas de Rio De Janeiro