Operações deixam mais de 6 mil alunos sem aulas no Rio

Local mais atingido foi a Rocinha, onde moradores relatam tiroteio desde domingo. Mais de três mil alunos estão fora das salas de aula na favela

Por O Dia

Rio - Policiais militares atuam em sete comunidades do Rio na manhã desta terça-feira. Por causa das operações, 6.053 alunos estão sem aulas em 12 escolas, seis creches e dois Espaços de Desenvolvimento Infantil (EDI) na cidade. O local mais afetado é a Rocinha, na Zona Sul, onde moradores relatam tiroteios desde domingo. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, 3.356 estudantes foram prejudicados em seis colégios, duas creches e um EDI na comunidade.

Seis escolas municipais foram fechadas na RocinhaRafael Nascimento / Agência O Dia

Já no Morro dos Macacos, em Vila Isabel, Zona Norte, 1.538 alunos estão sem aulas. Ao todo, quatro escolas e uma creche não abriram nesta manhã. Outro local atingido foi Costa Barros, já que policiais do 41º BPM (Irajá) fazem operação no Complexo da Pedreira desde cedo. São 309 estudantes prejudicados em um colégio e uma creche no local. Em Barros Filho, bairro próximo à favela, uma escola e um EDI, com 533 alunos, foram fechados.

No Chapéu Mangueira, apenas uma creche com 55 alunos não abriu nesta terça. Enquanto isso, na comunidade do Arará, em Manguinhos, 262 crianças de uma creche foram prejudicadas. No entanto, não há informações sobre operações na favela. No Morro do São Carlos, onde há ação do Batalhão de Choque, todas as escolas abriram normalmente.

Últimas de Rio De Janeiro