Por luana.benedito
Publicado 19/12/2017 14:44 | Atualizado 19/12/2017 14:48

Rio - Sob forte emoção, o cabo Éder Gomes de Matos foi enterrado, na manhã desta terça-feira, no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste do Rio. O PM de 37 anos foi morto a tiros neste domingo, em um assalto na Avenida Brasil, na Zona Norte. 

A mulher do militar desmaiou durante o sepultamento e precisou ser atendida por profissionais da saúde. Além dos familiares, colegas do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) marcaram presença.

Enterro do policial Éder Gomes de Matos no cemitério Jardim da Saudade%2C em SulacapMaíra Coelho / Agência O Dia

Emocionados, eles realizaram uma oração do Bope conduzida por um pastor. "Soldados vencedores que vão para rua salvar a sociedade e não voltam para casa", disse ele.  Éder foi 128º policial morto somente em 2017. "Ele era o melhor maratonista da PM e deixou uma esposa é uma filha de 16 anos", lembrou o religioso.

Indignado com a violência, o treinador do militar no atletismo e coronel da PM Adalberto Rabelo, desabafou sobre a falta de moral e cuidado do estado com os policiais. "Por isso que muitas pessoas boas estão deixando o nosso país, pela falta de moralização. Precisa de decência. Não é possível que o estado seja atacado toda semana perdendo pelo menos um policial."

Arrasados com a morte do filho, oss pais de Éder não quiseram falar com a imprensa.

Rio registra 129 policiais mortes em 2017

?Após dois 12 horas, outro PM foi morto na Avenida dos Democráticos, em Higienópolis, na Zona Norte, na madrugada desta segunda-feira. O 2ª sargento Fabio Alexandre Eufrásio Silva, 45 anos, foi atingido por quatro tiros, pelo menos um deles de fuzil, enquanto fazia uma blitz na via.  Os disparos o atingiram no rosto, tórax, braço esquerdo e perna direita. Este foi o 129º policial militar morto no estado em 2017.

Eram pelo menos quatro bandidos dentro do veículo, um Chevrolet Cobalt prata. O PM, que era lotado no 22º BPM (Maré), participava de uma blitz junto com outro policial. Uma testemunha do crime prestou depoimento na 21ª DP (Bonsucesso) e disse que dois dos criminosos já estavam rendidos no chão, quando Eufrásio se aproximou do carro e ordenou que os outros desembarcassem. Eles saíram do veículo atirando contra o militar.

Reportagem da estagiária Bruna Motta, sob supervisão de Gabriela Mattos

Você pode gostar