‘Só entro nos lugares com o pé direito’, diz Paolla Oliveira

Atriz é a entrevistada da semana na coluna.

Por O Dia

Paolla Oliveira está brilhando em horário nobre. Na pele da Major Jeiza em ‘A Força do Querer’, a atriz tem suado a camisa com o MMA e recebido muitos elogios não só pela excelente forma física aos 35 anos, mas também pelo destaque na trama de Gloria Perez. Paolla, que passou a conhecer a fundo o dia a dia dos policiais por conta da novela, lamenta a morte de mais de cem policiais no Rio e diz que não se sente segura. A atriz conta que já foi assaltada, furtada e apenas agradece por ter saído ilesa desses infortúnios. Paolla também revela alguns segredos: ela ama dirigir, só entra nos lugares com o pé direito e não dorme com os pés descobertos: “Fico com a sensação de estar desprotegida”.

Paolla OliveiraDivulgação

Jeiza é o seu auge?
Não sei (risos)! Eu acho que não existe um auge... Acho que é mais uma coisa de momento, da nossa vida, da carreira. Uma personagem que deu certo, moderna e que fala da mulher de hoje

Você acha que a Jeiza representa o empoderamento feminino?
Sim! Jeiza representa a mulher moderna. A gente fala tanto de dar poder a esta mulher... Ela é bem representada no trabalho, apesar de uma vida amorosa meio conturbada... Jeiza é cheia de opinião, é boa filha, tem bom caráter... E ela coloca isso com atitude, então eu acho que sim, Jeiza é uma mulher poderosa!

Mais de cem policiais foram mortos este ano no Rio. Como que você vê essa violência contra policiais?
Eu gravo com policiais de verdade então eu acabo vendo e ouvindo sobre isso. Mas não precisa nem estar fazendo uma policial militar para ver o que está acontecendo! A violência chega até nós pelos jornais, amigos, redes sociais... Acho até que esses números são poucos diante dessa violência toda. Os números são maiores!

Na novela, a mãe da Jeiza tem pavor que ela diga que e policial. Você vê isso nos batalhões?
É bom você perguntar sobre isso porque é mesmo uma realidade! Mas todos temos receios! Receio de usar uma roupa que você gosta, uma joia... Acho que quando falamos de violência, isso engloba toda a polícia, de um modo bem geral. E a sociedade civil também. Quantos medos a gente tem? De quantas coisas a gente se priva por conta da violência? Os policias muitas vezes são privados de falar, inclusive falar a sua profissão!

Você já foi vítima de violência?
Difícil é achar quem não foi. Eu já fui assaltada, já tive carro roubado, já tive furto, e várias pequenas coisas. E me considero uma pessoa até de sorte porque nunca aconteceu nada mais grave. Já roubaram um carro em frente à minha casa com amigos meus dentro. Acho que todo mundo já experimentou a violência e viu como ela está cada vez mais próxima.

Então você não se sente protegida no Rio?
Não me sinto protegida no Rio. Mas não e só aqui. Minha família é do nordeste. Tenho parentes em Fortaleza e no Recife. Eu acho que a violência é no Brasil inteiro. Eu moro no Rio, mas tenho família morando em São Paulo e eles também passam por essas coisas.

Com quem você quer que a Jeiza fique? Com Caio (Rodrigo Lombardi) ou com o Zeca (Marcos Pigossi)?
Eu acho mais legal ela ficar com quem o público quiser! Acho que agora pro final está acontecendo tanta coisa com a Jeiza...

A gente viu Jeiza voltar do exterior e largar o cinturão ao descobrir que o Zeca estava preso. Você também abandonaria o cinturão por amor?
O que a Jeiza fez foi abandonar uma passagem da vida dela. E acho que foi também por algo muito pessoal. Ela tem um temperamento forte o suficiente para não deixar que as pessoas decidam por ela. Eu achei bonita a atitude dela. O texto dela era assim: “Não estou só abandonando, estou querendo ter a minha vida em minhas mãos! Ter o controle da minha própria vida!”. Achei o texto de uma mulher que ficou mexida emocionalmente, mas é firme. Ela sabe o que quer. Então,vendo por este lado, eu também largaria! Mas que fique claro: eu acho que quando a gente larga a nossa vida por alguma coisa ou por alguma pessoa, há um grande risco de você se perder. E você perdida não é interessante. Mas o cinturão era apenas uma passagem...

Paolla OliveiraDivulgação

Como é que são as cenas dos embates com a Bibi (Juliana Paes)?
São maravilhosas! As duas são osso duro de roer! Cada uma tem o seu caminho, mas são bem legais de fazer. Eu acho interessante as propostas: Jeiza não bateu de frente com ela de cara! Ela aliviou uma vez por conta da mãe, depois aliviou mas por conta da Aurora (Elizângela). Jeiza via a Bibi mais como uma mulher frágil do que perigosa! Bibi é como se colocasse só o coração e acabou que ela se perdeu por isso. Eu acho interessante que o embate foi mudando. Não é só um embate de temperamento. É de escolha de vida, é de opiniões diferentes... Ela tem pena da Bibi em alguns momentos e ainda dá conselhos quando fala “eu já vi mulher igual a você que depois vai para a cadeia e o cara abandona!”. Isso eu acho que fica ainda mais rico! Eu adoro fazer as cenas porque as energias são quentes, mas existem caminhos totalmente opostos, então o embate fica rico.

O que você ouve na rua por causa de Jeiza?
Eu venho de uns pelo menos três trabalhos, onde eu tive um assédio nas ruas muito grande! Foi o ‘Felizes para Sempre’, ‘Além do Tempo’ e agora em ‘A Força do Querer’. No caso da Jeiza, o assédio vem de profissionais, de mulheres, de crianças... Teve uma gravação em uma comunidade e uma menina chegou pra mim e disse: “Oi, Jeiza”. Depois de uns dois minutos ela disse: “Cadê a Paola?” (risos).

Ah, que gracinha!
Aquilo ali pra mim foi muito gratificante. Eu acho que nunca vou esquecer aquela cena. Ainda mais vindo de uma criança! Foi muito legal! O assédio vem de vários lados e você representar uma classe é difícil! Jeiza representa o pessoal da luta, que também e uma classe feminina muito difícil...

Você ainda está fazendo muay thai?
Muay thai não! Eu faço MMA, que é o boxe com jiu-jitsu e muay thai. Aprendo técnicas de todos os lados. Não faço um treino certinho como eu gostaria porque, por conta da novela, eu tenho que pular algumas etapas, mas eu tenho treinado.

Você está gostando? Pretende continuar depois que acabar a novela?
Eu vou continuar! Talvez com menos força, mas eu pretendo continuar sim. Todo mundo fala muito assim: “ah, porque muda o corpo...”. É claro que muda o corpo, mas melhorou muito a minha concentração. Eu tive que descobrir concentração na luta. Imagina? Se você está desconcentrada, você acaba tomando um soco na cara! A luta tem me ajudado a fazer a Jeiza!

Como você cuida do corpo agora? Faz dieta?
Eu sempre fiz, mas não é bem uma dieta... É uma nova maneira de pensar sobre reeducação alimentar. Tem também minha parte aeróbica e tem o Marcão, que é meu personal trainer há 9 nove anos. Agora ainda acrescentei a luta! Então tem dias que eu não malho com o Marcão, mas aí faço a luta. Todo dia dá para fazer uma atividade física para ficar em forma. E as cenas de polícia também dão um trabalho danado! Além da correria, você tem que ficar disposta e disponível o dia todo.

Foi a primeira vez que você pegou em uma arma, mesmo que cenográfica?
Então eu já tinha feito algo com arma em ‘Em nome da lei’. Também já tinha feito outros cursos. Na novela, a gente está o tempo todo com policiais que ensinam como faz. Eu diria que tenho mais intimidade nesta novela, intimidade de entender, como como portar quando estou armada.

Qual a maior dificuldade de fazer a Jeiza?
Jeiza é tão boa de fazer! Eu não diria um dificuldade... O que eu tenho é que estar mais atenta e não perder o meu pique, porque ela é muito cheia de energia. Até mesmo nas cenas que eu não estou de policial e nem de lutadora, ela está sempre com muita energia! Eu tenho que estar sempre inteira para esta mulher, de segunda a sábado.

Paolla em cena da novelaDivulgação

Você sonha se casar?
Isso eu não respondo nem para Leo Dias! (risos)

E filhos? Estão em seus planos?
De quase toda mulher!

E você está junto com quase todas as mulheres ou na outra parte?
Vocês não me pegam mas com isso! Essas perguntas eu não respondo. (risos)

O que ninguém sabe sobre você?
Meu Deus!

Conta um segredo!
Eu adoro dirigir. Me acalma! Eu adoro coisas de carro e é algo que eu acho que não combina muito comigo ou algo que as pessoas imaginem que eu não gosto. Manias... Eu só entro nos lugares com o pé direito e não durmo com o pé descoberto.

Você não dorme de pé descoberto?
Eu não gosto, tenho sempre a minha coberta!

Mas por que isso?
Porque eu não sei. Só sei que não gosto de dormir mesmo sem coberta. Fico com uma sensação de estar desprotegida.

Como é que você se vê daqui a dez anos?
Quando a gente fala “daqui a dez anos”, a gente tem sempre uma projeção, e eu acho que se tiver pra mim como está agora, eu estou muito feliz! Eu espero que eu aprenda bastante, pois daqui a dez anos, eu irei estar com 45 anos. Eu espero que daqui a dez anos eu esteja feliz com a minha idade, que eu tenha conseguido aprender mais coisas, amadurecer... Espero que eu tenha passado por experiências que me tornem uma pessoa melhor.

A rede social é importante então pra você? De que forma você usa?
Eu aprendi a usar a rede social, que é uma coisa que aproxima as pessoas que gostam de mim, gostam do meu trabalho, mas que também não me lesam e nem me invadem! No geral, eu gosto das redes sociais.

Você bloqueia as pessoas?
Se tiverem falando muita bobagem, sim! Mas são muito poucas que fazem isso, sabia? Tem muito mais gente falando bem e batendo um papo legal

Deixa um recado para os seus fãs e os fãs da Jeiza!
Primeiro eu queria agradecer, porque quando a gente começa um trabalho, não tem ideia da onde ele vai alcançar, mas mesmo assim, a gente faz com todo o empenho do mundo! Então eu só tenho a agradecer a todos: não só os fãs da Paolla, mas também aos fãs de Jeiza, que eu acho que podem até ser diferentes. Às vezes acontece de você se identificar com o personagem, e não com a pessoa em si.

Jeiza (Paolla Oliveira) comanda operação policial no Morro Azul%2C onde fica na mira da arma de RubinhoDivulgação