PF investiga propina de R$ 160 mi para fiscal da Receita agilizar R$ 2 bi à JBS

Desdobramento da 'Operação Lava Jato' foi deflagrado nesta segunda

Por Estadão Conteúdo

Empresa JBS estaria envolvida em esquema de propina que liberava créditos do Fisco
Empresa JBS estaria envolvida em esquema de propina que liberava créditos do Fisco - Divulgação

São Paulo - A "Operação Baixo Augusta", deflagrada nesta segunda-feira, pela Polícia Federal, pelo Ministério Público e pela Receita, apura um esquema de propina para liberação de crédito tributário do Fisco à JBS. Os investigadores apontam que movimentações financeiras entre empresas do grupo e investigados indicam o recebimento de aproximadamente R$ 160 milhões em propinas nos últimos 13 anos.

Segundo a operação, as transações ocorriam por meio de firmas de fachada e a emissão de notas fiscais falsas. Estima-se que o total de créditos tributários liberados à JBS a partir do esquema chegue a R$ 2 bilhões ao longo do período.

A Baixo Augusta é um desdobramento da Lava Jato. Os agentes cumprem 14 mandados de busca e apreensão na capital paulista e em Caraguatatuba, Campos do Jordão, Cotia e Lins.

A investigação partiu do acordo de colaboração premiada firmado entre executivos da JBS e o Ministério Público Federal. Em nota, a Procuradoria da República apontou que "as provas já colhidas no inquérito confirmam o relato de que um esquema de pagamento de propinas funcionava desde 2004 para agilizar a liberação de recursos que a companhia teria a receber do Fisco".

Os mandados foram cumpridos nas residências dos envolvidos e de seus familiares e nas sedes de empresas identificadas.

Comentários

Últimas de Brasil