DESFILE DE MODA INCLUSIVA NA FEIRA

Por BRUNNA CONDINI

Lohane Magarão (em pé), que desfila pela primeira vez, e Debora Garnier, vão participar do evento
Lohane Magarão (em pé), que desfila pela primeira vez, e Debora Garnier, vão participar do evento - Maíra Coelho

A moda inclusiva também marca presença na Feira Pcd. A estilista Silvana Louro, da Equal Moda Inclusiva vai levar 60 modelos PcDs à passarela hoje, às 16h.

"Trabalho com moda inclusiva há sete anos. São três anos só em pesquisas e desenvolvimento de modelagens e quatro anos da marca. A moda inclusiva é aquela que também é funcional. As modelagens são diferenciadas para atender segmentos específicos. Tais como grávidas, plus size, deficientes", explicou Silvana. Alguns modelos desfilados foram cedidos, em parceria, com as marcas Reserva e Complexo B.

A estilista destaca ainda o foco na criação das peças. "O objetivo é atender as especificidades do segmento. Proporcionar conforto, beleza e democratizar a opção de escolha da sua roupa", afirmou. "O desfile vai mostrar diversas marcas que trabalham as adaptações para deficientes e também marcas que estão sensíveis à futuras adaptações e trazem modelos deficientes desfilando suas peças".

A recepcionista Lohane Magarão, 28, desfila pela primeira vez e concorda. "Isso ajuda a fortalecer a autoconfiança e acreditar que eu posso ser quem eu quiser", destacou. Debora Garnier, 36, parceira de passarela, conta que a moda inclusiva mudou sua vida. "As roupas são confortáveis e é muito melhor para vestir".

Para Silvana, é extremamente importante transcender padrões preestabelecidos de beleza. "Isso estimula o pensar fora da caixa. Precisamos ampliar os conceitos de beleza. Estar em uma passarela, que é o templo da moda, por exemplo, é muito significativo nesse caso", refletiu.

E conclui: "A moda está atenta às diferentes tribos, perfis e segmentos. Os deficientes são 6,2% da população brasileira e representam um importante segmento. No início da minha pesquisa, não entendia porque o deficiente não era reconhecido como tal. Hoje posso dizer que, em grande parte, é um preconceito velado. O papel da moda vai muito além de vestir. Ela é um importante canal de comunicação e de auto estima".

Para mais informações sobre o desfile, basta acessar a página na internet: www.universopcd.com.br.

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro