Coluna Esplanada: Calheiros engaveta pedidos de impeachment contra Janot

Depois de quase ser preso a mando de Rodrigo Janot, o presidente do Congresso recuou no discurso e no ato

Por O Dia

Brasília - Depois de quase ser preso a mando do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL), recuou no discurso e no ato. Mandou a Advocacia-Geral do Senado arquivar todos os pedidos de impeachment do chefe do Ministério Publico Federal. Quando a PGR avisava que pairavam suspeitas fortes sobre o senador, Renan repetia que poderia abrir investigação contra Janot. Agora, é todo mel quando fala do PGR – que não o esqueceu.

Sem palanque

O juiz Sérgio Moro avisou a deputados da comissão especial das dez medidas contra a corrupção que não vai comparecer, apesar dos dez requerimentos para sua presença.

Sem palanque 2

Outra dezena de requerimentos na comissão pede a presença do ex-presidente Lula, investigado pela Lava Jato e levado para depor à PF. O PT barra.

Ulysses redivivo

O presidente Michel Temer pediu a Moreira Franco homenagem pelos 100 anos de Ulysses Guimarães dia 6 de outubro em Brasília. Com exposição e lançamento de livro.

Pavor alemão

Brasileiros relatam temor, país paralisado, Angela Merkel assustada, pernoite nas lojas e, sim, há irritação com os imigrantes. Embora a imprensa não cite, dormitórios de refugiados são incendiados todos os dias pelos contrários à política de acolhimento de sírios, iraquianos, gregos etc, diz à Coluna Luciana Rangel, que mora em Berlim.

Tão perto

Luís Henrique Machado, advogado que faz doutorado, mora a 200 metros do centro comercial que foi atacado. “Ouvi os tiros daqui”. Ele passou 20 minutos antes do ataque por um beco onde viu, pela TV, um corpo.

Clima de guerra

O transporte público da Alemanha parou após os ataques, o que não ocorre desde a guerra. Muita gente em Munique dormiu nas lojas e restaurantes. A polícia avisou que qualquer um na rua seria suspeito. Ninguém queria levar tiro gratuito.

Mais consciente

O eterno líder maior do MST, João Pedro Stédile, dá sinais de maior imparcialidade no vocabulário ao criticar também o PT, além do atual Governo: “A economia não cresce há três anos, teve aumento de 14% no desemprego, e ocorreu um sequestro do sistema eleitoral. O povo não reconhece mais no Congresso”, disse a amigos em BH.

Perdeu pontos

O petista Paulo Abrão perdeu pontos na ONU. Há relatos de que altos membros souberam que Abrão demorou a conceder visto ao ex-senador boliviano Roger Molina quando presidiu o Comitê Nacional para os Refugiados, no Ministério da Justiça.

Na fila

Abrão concorre ao cargo de Secretário Executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA. Disputa vaga com representantes de Belize, Estados Unidos, Uruguai e Colômbia.

Tabu

A Comissão de Direito Ambiental da OAB/DF promove o 1º Seminário sobre Licenciamento Ambiental na segunda. Tema tabu para o DF, onde há invasões, grilagem e obras irregulares flagradas todos os meses. Desde a fundação de Brasília.

Som na caixa

A campanha ‘Sons da Conquista’, bolada pela Nova/SB para a Caixa, alcançou 1,2 milhão de acessos ao site. São sete clipes e músicas cantadas por nomes do rap, que abordam empoderamento feminino, força, foco e trajetórias inspiradoras.

Ponto Final

“Tem umas 300 células ou amebas no Congresso. Avisem à PF e Abin”

Da leitora @Marlene_Senna, no Twitter, sobre as investigações de supostos terroristas no Brasil.

História

A historiadora Ana Roldão e Antônio Neves da Rocha assinam a exposição da Fazenda São Luiz da Boa Sorte que será aberta ao público hoje no Festival do Vale do Café, em Vassouras. Fica aberta até o dia 31 de julho.

Últimas de Brasil