Unidos de Vila Isabel tenta acordo para sobreviver e desfilar em 2017

Presidente Levi Junior confirmou que a escola não têm condições de pagar a dívida nos termos do atual acordo

Por O Dia

Rio - Uma reunião nesta terça-feira entre a presidência da Unidos de Vila Isabel e o fornecedor de materiais carnavalescos Jaime Bernardino Ferreira de Albuquerque, mais conhecido como Jaiminho, vai definir se a tradicional escola carioca vai desfilar no Carnaval 2017, afirmaram dirigentes da agremiação nesta segunda-feira durante entrevista coletiva no barracão, na Cidade do Samba. Jaiminho cobra uma dívida de R$ 2 milhões na Justiça.

Segundo o presidente, a escola não têm condições de pagar a dívida nos termos do atual acordoMárcio Mercante / Agência O Dia

Na última sexta-feira, a Vila Isabel divulgou uma nota cancelando todos os eventos relativos ao carnaval. Foram suspensas a semifinal de samba-enredo e a final do concurso da segunda porta-bandeira. Os 160 funcionários que trabalham no barracão da escola, na Cidade do Samba, e também na quadra, foram dispensados até que tudo seja resolvido.

Em entrevista coletiva, o presidente da Vila, Levi Junior, confirmou que a escola não têm condições de pagar a dívida e ainda arcar com os custos de um Carnaval. Segundo ele, o fornecedor, que é benemérito da escola, fez um acordo para pagamento de sete parcelas de R$ 185 mil, mas com o que a escola arrecada, além de outros compromissos trabalhistas, é inviável honrar a dívida nos termos do acordo.

O fornecedor cobrava da Unidos de Vila Isabel uma dívida no valor de R$ 1.296.000,00 oriunda do ano de 2011. Faltando três dias para renunciar ao cargo, o ex-presidente da agremiação, Luciano Ferreira, firmou acordo parcelando a dívida em sete parcelas de R$ 185.142,85. Os pagamentos seriam efetuados mensalmente de junho a dezembro de 2016.

A escola tem um prazo curto para definir suas pendências, a gravação oficial com o samba escolhido deve ser feito até o próximo dia 21 de outubro. Com isso, caso o acordo seja firmado, não está descartado que a final seja antecipada com os cinco sambas que ainda estão na disputa. O presidente afirmou que atualmente a escola tem 300 mil em caixa e precisa de um acordo que seja bom para ambas as partes.

"Vamos tentar um novo acordo nesta terça-feira. A escola está muito endividada. Só do processo do Inea, referente a acústica da quadra perdemos 5% de toda receita gerada. Espero resolver a questão com o Jaiminho e conseguindo o acordo irei me reunir com os compositores para definirmos sobre a disputa do samba. Temos cinco ótimos sambas na disputa. Caso seja preciso faremos a final com eles", disse o presidente.

Escola comprou ferragens para os carros mas funcionários foram dispensados nesta segunda-feiraMárcio Mercante / Agência O Dia

A Unidos de Vila Isabel será a quarta escola a desfilar no domingo de carnaval com enredo que abordará a influência africana na música brasileira. O tema será desenvolvido pelo carnavalesco Alex de Souza.

Reportagem de Luis Araujo