Longe do título no Brasileiro, Botafogo joga todas as fichas na Copa do Brasil

Glorioso enfrenta o Ceará nesta quarta-feira no Maracanã

Por O Dia

Rio - Levando-se em conta a distância para o Cruzeiro e a irregularidade do time, pensar em uma arrancada rumo ao título do Brasileirão não passa de delírio. Por isso, a partir de hoje, todas as fichas do Botafogo serão apostadas na Copa do Brasil. O Alvinegro espera começar sua trajetória rumo à conquista da única taça possível em 2014 contra o Ceará, às 22h, no Maracanã.

O Botafogo é o único grande do Rio que ainda não ganhou a competição, o caminho mais curto à Libertadores. A conquista lavaria a alma dos jogadores, após o ano todo convivendo com problemas financeiros.

Botafogo vai enfrentar o Ceará nesta quarta-feiraDivulgação

“Com um título e não sendo rebaixado, terminaríamos o ano muito bem, mas é cedo para pensar nisso. É o primeiro jogo, temos que pensar em dar um passo de cada vez. Não podemos tomar gol aqui, o que nos dará tranquilidade muito grande. A Copa do Brasil nos dá vaga na Libertadores, é uma competição mais curta e um dos nossos objetivos”, disse Edilson.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Botafogo

Com duas vitórias nos últimos três jogos e só um gol sofrido, o time de Vagner Mancini chega confiante contra o Vozão. Ainda mais com o retorno de Emerson Sheik, após três jogos. Ele formará dupla de ataque com Tanque Ferreyra pela primeira vez na temporada.

O respeito ao líder da Série B é proporcional à confiança. Os jogadores sabem que a equipe cearense foi responsável pela eliminação precoce do Inter, um dos candidatos ao título do Brasileiro.

“O Ceará é um grande clube. Faz grande Série B e eliminou o Inter, uma das melhores equipes do Brasil. Será difícil, mesmo sendo no Maracanã”, disse Edilson.

Apesar dos ingressos mais baratos saírem a R$ 30, R$ 10 a mais do que contra a Chapecoense, a expectativa é de boa presença de público. Na vitória de domingo, 20 mil alvinegros empurraram o time e mostraram que os altos preços são os grande vilões dos estádios vazios no país.