Nova Iguaçu vence Boavista por 3 a 0 e garante título do Quadrangular Extra

Competição reuniu equipes que não avançaram às semifinais da Taça Rio

Por O Dia

Rio - O Nova Iguaçu conquistou neste domingo mais um título: o do Quadrangular Extra da Taça Rio. E foi com um gostinho especial, um verdadeiro banho de bola: vitória sobre o Boavista por 3 a 0 no Laranjão, com direito a "olé!".

Nova Iguaçu faturou o título do Quadrangular Extra da Taça RioBernardo Gleizer/NIFC

Em sua temporada de retorno à Primeira Divisão, o Nova Iguaçu fez sua melhor campanha na história, com a quinta colocação na classificação geral, atrás apenas dos quatro grandes, conquistou a vaga na Série D do Campeonato Brasileiro de 2018 e tem grandes chances de disputar também a Copa do Brasil - para isso, basta que um carioca se classifique para a Libertadores do ano que vem.

E isso depois de passar pela Segunda Divisão, onde foi campeão geral e também do primeiro turno (Taça Santos Dumont), e passar por uma difícil fase preliminar, que contou com seis clubes. O time da Baixada acabou ficando este ano com os dois troféus extras em disputa, que reuniram as melhores equipes que não disputaram as semifinais.

A vitória na final começou a ser construída logo no início. Ainda com o gramado encharcado por conta da forte chuva que caiu no início da tarde, o Nova Iguaçu abriu o placar aos 4 minutos: Lucas cruzou da esquerda com perfeição e Adriano testou com estilo, para fazer seu nono gol no Campeonato Carioca e assumir a artilharia isolada, ultrapassando Max, da Cabofriense.

Mesmo com a vantagem, o Nova Iguaçu continuou melhor no jogo e dominou seu adversário. E coube aos volantes construírem a goleada. Aos 29, Wescley cobrou escanteio e Anderson, no primeiro pau, desviou para o gol: 2 a 0. Depois, aos 37, Caio Cezar deu bela enfiada para Vinicius Nunes, o goleiro Rafael defendeu e, no rebote, Iuri Pimentel só completou: 3 a 0.

No segundo tempo, o Boavista ficou entregue e o Nova Iguaçu teve chances para fazer um placar ainda mais elástico. Caio Cezar, aos 5 e aos 31 minutos, e Vinicius Nunes, aos 39, pararam nas defesas de Rafael. O time da Baixada colocou o Boavista na roda e a torcida laranja soltou o grito de "olé", antes de poder gritar "É campeão".