Sheik atrás da estreia perfeita

Em sua volta ao Fla, no Maraca, Emerson tenta bater um estranho tabu

Por O Dia

Rio - Emerson Sheik tenta driblar o rótulo de sortudo. O novo camisa 11 do Flamengo prefere atribuir os gols decisivos que tem no currículo ao trabalho, a associá-los a qualquer obra do acaso. Mas, por casualidade ou competência, a história mostra que ele serve de amuleto aos times que defende nos momentos mais importantes. Há, porém, uma escrita a ser quebrada. Se levar o Rubro-Negro a um resultado positivo, contra o Atlético-MG, nesta sexta-feira, às 16h30, no Maracanã, terá vencido pela primeira vez numa estreia por clubes brasileiros.

Emerson Sheik vai fazer sua estreia neste sábadoCarlos Moraes / Agência O Dia

Os rubro-negros tentam ganhar o terceiro jogo consecutivo para deixar a zona de rebaixamento cada vez mais distante — no momento, o time está em 16º lugar, com os mesmos sete pontos do Santos, primeiro entre os quatro últimos da tabela. A expectativa é de casa cheia — 23 mil ingressos já foram vendidos.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

Aos 20 anos de idade, mas com documentação de 17, Emerson estreou pelo São Paulo, no empate em 0 a 0 com Flamengo. O atacante entrou em campo no segundo tempo, no lugar de Dodô. A certidão adulterada fez com que o Tricolor Paulista o transferisse para o futebol japonês, em 2000. Só voltou ao Brasil em 2009, após virar um ídolo no Catar.

Sheik jurou amor ao Flamengo e, no primeiro encontro, mostrou que havia química. O Fla-Flu se encaminhava para o fim, com o placar em 1 a 0 a favor do Tricolor das Laranjeiras. Aos 48 do segundo tempo, no entanto, Emerson marcou o seu primeiro gol com o manto sagrado e garantiu o empate.

Emerson passou pelo Al Ain, dos Emirados Árabes e, na volta ao Brasil, vestiu tricolor. Fez o gol do Fluminense, no 1 a 1 com o Botafogo, em 2010. No ano seguinte, defendeu o Corinthians pela primeira vez no 0 a 0 com o Flamengo. Brigado com Mano Menezes, foi para o Botafogo, em 2014. E começou a nova fase com um gol e uma assistência, no 2 a 2 com o Internacional. Na volta ao Timão, perdeu por 1 a 0 para o Colônia.

Com suspeita de doença, Nixon está fora

Em meio ao clima leve e descontraído que tomou conta do Ninho do Urubu na manhã de ontem, uma noticia surpreendeu a todos: Nixon passará por ressonância magnética após apresentar falta de ar durante um treinamento.

“Temos de ver se existe alguma coisa, pois é um jogador que já está aqui há muito tempo e nunca apresentou nada”, afirmou José Luiz Runco, chefe do departamento médico do Flamengo.
Sobre Paulo Victor, Runco anunciou que o goleiro ficará 15 dias entregue à fisioterapia do clube. Terminado o período, será avaliado nos outros 15 posteriores.