Brasil dá o pontapé inicial na busca pelo ouro inédito contra a África do Sul

Seleção masculina estreia nos Jogos Olímpicos no Mané Garrincha e sonha com ouro após pratas de 1984,1988 e 2012

Por O Dia

Rio - O  futebol nunca foi protagonista dos Jogos Olímpicos, mas o Brasil vai acompanhar com atenção o início da luta de Neymar & Cia. pela inédita medalha de ouro, nesta quinta-feira, às 16h, contra a África do Sul, no Estádio Mané Garrincha. Cinco vezes campeão mundial, dono de oito títulos da Copa América e quatro da Copa da Confederações, o Brasil estreia nos Jogos do Rio disposto mudar o roteiro da Olimpíada de Londres-2012, quando perdeu a final para o México — também amargou a prata em 1984 e 1988, diante França e União Soviética, respectivamente.

LEIA MAIS: Notícias, programação e quadro de medalhas da Olimpíada do Rio

Mais do que um bom futebol, confiança é outra das armas do técnico Rogério Micale — desde maio de 2015 no comando da equipe sub-23 — para que a Seleção estreie com pé direito no Grupo A do torneio de futebol. Outra ‘tática’ adotada pelo treinador é o bom humor, demonstrado na coletiva de ontem, em Brasília. Ele brincou com o tradutor (disse que daria respostas mais curtas para facilitar), ameaçou não dar a escalação e disse que, em meio a jogadores famosos, ele era o único a precisar de apresentação.

Observado por Gabigol%2C Neymar domina a bola no treino%3A craque é arma rumo ao ouro inéditoEfe

Mas também falou sério. Prometeu trabalho com comprometimento e entrega, além de pedir apoio da torcida para ‘sermos muito fortes’. Indagado sobre a competitividade da equipe, Micale foi sincero. “É difícil chegar a 100% como equipe. Às vezes um indivíduo chega, outro não, por vários fatores: lesão, falta de treinamento. O importante é ter equipe homogênea, com um ponto desejável de competitividade para se manter em alto nível. A estreia vai mostrar se conseguimos”, avaliou, demonstrando confiança.

Por falar em estreia, Micale vê a África do Sul como um adversário respeitável. “Se fortaleceu com os mais velhos. É uma equipe que tem todo nosso respeito”, frisou, pronto para encarar o desafio de buscar o ouro inédito. “Espero que possamos estrear com o pé direito. Com o resultado favorável a confiança vem e podemos ir mais tranquilos para os desafios seguintes”, disse.

BOLT QUER CONHECER NEYMAR

Ele é uma das maiores estrelas dos Jogos do Rio, onde vai tentar o tricampeonato olímpico nas três provas mais nobres do atletismo (100m, 200m e revezamento 4x100m). Ontem, porém, o jamaicano Usain Bolt, como um raio, trocou a posição de protagonista pelo de fã do craque Neymar.

“Eu gostaria de encontrar Neymar, sou um grande fã dele também. Será ótimo se eu tiver a chance de encontra-lo. Depois tenho que focar na minha tarefa”, disse Bolt, que, à tarde, mudou-se para a Vila dos Atletas e causou um alvoroço em sua chegada — foi assediado por atletas da França, voluntários, pedestres que passavam pelo local e jornalistas.

“Eu normalmente vou para Vila, me dá uma vibração diferente, tem uma energia muito boa. Eu realmente gosto, me faz sentir parte dos Jogos”, revelou o jamaicano, garantindo estar recuperado da lesão na coxa sofrida mês passado e em plenas condições de superar o americano Justin Gatlin e os demais adversários.

Últimas de _legado_Olimpíada