Entrevista do senador boliviano Pinto Molina é cancelada

Decisão levou em conta a crise causada com sua chegada ao Brasil

Por O Dia

Brasília - A Comissão de Relações Exteriores do Senado confirmou, em nota, o cancelamento da entrevista coletiva que seria dada nesta terça-feira, às 15h, pelo senador boliviano Roger Pinto Molina. A entrevista foi organizada pelo presidente da comissão, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES). Pinto Molina ficou abrigado por 15 meses na Embaixada do Brasil em La Paz (capital da Bolívia) e chegou ao Brasil no último dia 24.

A decisão de cancelar a entrevista foi tomada em conjunto pela equipe de Molina e Ferraço em decorrência da crise causada com sua chegada ao país, que levou à saída de Antonio Patriota do Ministério das Relações Exteriores.

“Tendo em vista vários sinais positivos, optamos por cancelar a entrevista coletiva do senador Pinto Molina”, disse à Agência Brasil Fernando Tibúrcio Peña, que defende o parlamentar boliviano.

Roger Pinto MolinaReprodução Internet

Para o senador Pedro Taques (PDT-MT), a presidenta Dilma Rousseff agiu corretamente ao aceitar a demissão de Patriota ontem (26). “Foi a atitude correta, sob pena de desmoralização total da diplomacia brasileira que, há muito, vem se portando como uma diplomacia ideológica". Taques destacou que, historicamente, a diplomacia brasileira deu provas de profissionalismo, mas, segundo ele, “nesse caso, passou vergonha”. O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) disse que não acredita em “mudanças significativas” na política externa brasileira.

Patriota será substituído pelo atual representante do Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU), Luiz Alberto Figueiredo, que deve assumir o cargo até o fim desta semana.

Pinto Molina ficou 455 dias abrigado na embaixada brasileira na Bolívia desde que pediu asilo político ao Brasil, em 28 de maio de 2012. Porém, para deixar a Bolívia era preciso salvo-conduto, autorização do governo boliviano, que negava o documento. Na sexta-feira (23), o parlamentar deixou a embaixada com o auxílio da representação diplomática brasileira.

O boliviano chegou no último sábado (24) ao Brasil, por Corumbá (MS), onde se encontrou com Ferraço. Os dois voaram em seguida para Brasília.

As autoridades bolivianas dizem que o senador responde a mais de 20 crimes por corrupção e desvios de recursos públicos. Em entrevista à Agência Brasil no domingo (25), Pinto Molina negou as acusações. Ele disse ser vítima de perseguição política, por fazer oposição ao governo do presidente Evo Morales, e negou haver qualquer tipo de prova contra ele na Justiça.

Últimas de _legado_Brasil