Farmácia reduz preço em 20%

Redes investem em marca própria que sai mais barata e estimam crescer 5% em faturamento

Por O Dia

Rio - Depois dos supermercados, também as drogarias despertam o interesse para investir no segmento de marca própria. São itens de limpeza, higiene e cosméticos que saem até 20% mais baratos para o consumidor. A estimativa do mercado é que o faturamento desses produtos dobre de 5% para 10% no próximo ano. “Compro marca própria quase todo o mês. São mais em conta e têm qualidade tão boa quanto as marcas conhecidas”, afirma a secretária Joana Mangifeste, 41 anos.

Joana experimenta maquiagem em um farmácia. “Compro marca própria ao menos uma vez por mês”Maíra Coelho / Agência O Dia

As redes de farmácia apostam no segmento, como a Pague Menos que possui a marca Amorável. Nessa linha, o reparador de pontas de R$ 7 sai por R$5,49 e a loção de citronela de R$ 12,50 fica por R$ 10,99. A marca exclusiva equivale a 20% das vendas de não medicamentos, conta Francisco José de Barros, gerente de negócios da Pague Menos.

“Essa linha de produtos representa 5% do faturamento geral da empresa e está crescendo acima de 50% em relação a 2013”, explica.

Já as redes Farmalife e Drogasmil lançaram suas linhas de produtos Nº 21, com itens de maquiagem (pincéis de vários tipos a partir de R$ 25), mãos e unhas, como alicate (R$ 19,90), lixa (R$ 2,90), pinça (R$ 10,90) e tesoura R$ 14,90).

As vendas pularam de 2% em 2008 para 16% em 2013, sendo 14% em seis anos. Na participação da marca exclusiva, por exemplo, lenços umedecidos representam 16,6% e algodões, 33%. As amigas Lívia Madeira, 31, e Viviane Mello, 37, optam por marca própria não só pelo preço. “Compro porque tem qualidade”, disse Viviane.

Outras redes de farmácia também trabalham no mercado de marca própria. A Droga Raia e a Drogasil investem em produtos da Pluri, enquanto o grupo Pague Menos aposta na Panvel.

“Ainda há um longo caminho que deve ser percorrido por outras linhas de produtos como os alimentos, os medicamentos e itens de beleza”, estima Neide Montesano, presidenta da Associação Brasileira de Marcas Próprias (Abmapro).

Mercado movimenta R$ 10 bilhões no país

As marcas próprias continuam conquistando espaço no mercado brasileiro e o coração do consumidor, segundo estudo feito pela consultoria Nielsen. No Brasil, o mercado movimenta R$ 10 bilhões em faturamento e mostra um crescimento de 11% em marcas próprias em relação ao ano passado.

Segundo o analista de mercado da Nielsen, Jonathas Rosa, mesmo com o crescimento do setor, o país ainda apresenta espaços para o desenvolvimento das redes de varejo de produtos exclusivos.
“Ainda falta um pouco de percepção do valor desses produtos no país. Em outros países, a escolha por já é mais acentuada”, comentou o analista.

E quem está comprando marcas próprias no Brasil? Segundo a pesquisa da Nielsen, são donas de casa, com nível socioeconômico alto, faixa etária de 50 anos e filhos com idade entre 12 e 17 anos. Essas consumidoras de marcas próprias no Brasil residem em lares com três a quatro pessoas. Entre os produtos exclusivos de higiene e beleza mais vendidos são as lâminas de barbear, os enxaguantes bucais e os cremes dentais.

SAIBA MAIS

VARIEDADE
O Brasil possui cerca de 64 mil itens de marcas próprias.

ALIMENTO E LIMPEZA
As categorias destacadas são alimentos e limpeza caseira com as maiores participações de mercado.

MAIOR GANHO
A categoria de higiene e beleza apresentou o maior ganho de participação em marcas próprias.

DESTAQUE
Destaque para o crescimento de orgânicos: 62% comparado a 2010.

EMPRESAS
O número de organizações que trabalham com marcas próprias ultrapassa 180.

NOS LARES
Os produtos exclusivos atingiram mais de 22,4 milhões de lares no 1º semestre de 2011.

MERCADO
Representa 4,9% de participação em valor no mercado brasileiro.

DIFERENÇA
Os consumidores do país valorizam mais a qualidade e a confiança do que o preço, segundo pesquisa.

Últimas de _legado_Economia