Após bater recorde histórico, dólar desaba quase 4% e volta abaixo de R$4

Ação do Banco Central e Tesouro Nacional aliviou em parte os temores dos mercados financeiros

Por O Dia

São Paulo - O dólar despencou quase 4 por cento e voltou abaixo de 4 reais nesta quinta-feira, sessão marcada por intensas ações do Banco Central, via seu presidente Alexandre Tombini, e do Tesouro Nacional, que aliviaram em parte os temores dos mercados financeiros.

O dólar recuou 3,73 por cento, a 3,9914 reais na venda, maior queda diária desde 24 de novembro de 2008 (-5,24 por cento). A moeda norte-americana subiu 2,48 por cento na máxima da sessão, a 4,2491 reais, e recuou 3,98 por cento na mínima, a 3,9810 reais.

Desde a última segunda-feira, o dólar ultrapassou a cotação de R$ 4 pela primeira vez na história, por preocupações com o ajuste fiscal no Brasil e com a possibilidade do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, elevar a taxa de juros do país. Na última quinta-feira, o dólar iniciou em forte alta e passou da marca dos R$ 4,20. A moeda chegou a ser vendida a R$ 4,2104, em alta de 1,55%. Na semana e no mês, o dólar acumula alta de 0,84% e 10,04%, respectivamente. No ano, há valorização de 50,13%.

Ação do Banco Central e Tesouro Nacional aliviou em parte os temores dos mercados financeirosReprodução Internet

A cotação passou a cair depois que o presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, informou que o banco pode vender dólares das reservas internacionais no mercado à vista, operação que não é feita desde fevereiro de 2009. Apesar da declaração, o BC não começou a se desfazer dos recursos das reservas, atualmente em US$ 370,6 bilhões.

A autoridade monetária renovou integralmente 9,4 mil contratos de swap cambial (operação equivalente à venda de dólares no mercado futuro) que venceriam em outubro e leiloou 20 mil novos contratos com vencimento em 1º de setembro de 2016. Diferentemente dos últimos dias, o BC não vendeu dólares das reservas com compromisso de recompra, quando o dinheiro volta para o BC algumas semanas depois da venda.

As reservas internacionais funcionam como um instrumento de segurança para o país em caso de crise no mercado de câmbio. Normalmente, o BC evita vender diretamente recursos das reservas para não comprometer esse mecanismo de proteção, preferindo operações no mercado futuro, como os swaps cambiais, que transferem a demanda pela moeda norte-americana do presente para o futuro. Em caso de turbulência severa, no entanto, a autoridade monetária pode lançar mão das reservas cambiais.

Últimas de _legado_Economia